Educadora relata agressão após ser vítima de homofobia

"Hoje foi o momento em que a homofobia e a violência daqueles olhares se transformaram em insultos e agressões", refletiu educadora

Por: Redação

Em tempos em que a intolerância e o preconceito ganham voz na rotina dos brasileiros, o caso de Deborah Lourenço, de 31 anos, expõe a importância do debate sobre gênero e orientação sexual.

Com o cabelo curto em decorrência do tratamento de quimioterapia contra o câncer de mama, a educadora foi vítima de ofensas homofóbicas e agressões no centro do Rio de Janeiro, na manhã do último sábado, 24. O episódio ganhou notoriedade por meio de uma publicação do marido de Deborah no Facebook.

Após deixar mais uma sessão da quimio, acompanhada da mãe, a vítima se dirigia de Botafogo, na Zona Sul da cidade, sentido à região central, onde pretendia fazer compras de natal.

Era pouco mais de 8h30, quando ao estacionar na Presidente Vargas, um guardador de carros passou a xingá-la e empurrá-la por acreditar que Deborah era um homem homossexual.

Em entrevista ao G1, a educadora explicou o caso: “O procedimento terminou mais cedo que o esperado e perguntei para minha mãe se ela não gostaria de ir ao Centro para tomarmos café da manhã na Casa Cavé – ela concordou. Combinamos que também aproveitaríamos para fazer algumas compras de Natal. Decidimos parar o carro na Presidente Vargas. Um guardador de vagas se aproximou e indicou o local onde deveríamos estacionar. Nesse momento, eu desci para esperar do lado de fora do veículo, uma vez que, no lugar onde o carro ficaria, eu não teria como abrir a porta. Foi quando o problema aconteceu”, relembrou Deborah.

Esperando a mãe terminar de estacionar o veículo, um outro guardador que estava no local passou então a agredi-la verbalmente. “Ele começou a gritar: ‘É vinte! É vinte!’ Entendi que ele queria que eu desse R$ 20 para estacionar o carro ali. Eu ia começar a explicar que já havia acertado com o primeiro guardador, mas nem tive tempo – ele passou a me xingar: ‘Viadinho! Filho da p(*)! Viadinho de m(*)!’. Logo em seguida, estufou o peito, cresceu para cima de mim e passou a me empurrar. Eu não acreditava no que estava acontecendo, fiquei chocada. Só conseguia recuar para tentar não ser atingida. Nesse instante, o primeiro guardador entrou na minha frente e conteve o agressor. Corri para dentro do carro e pedi para que minha mãe nos tirasse dali logo”.

Ao refletir o ocorrido, Deborah lamentou o episódio o clima de intolerância que acomete o país. “Hoje foi o momento em que a homofobia e a violência daqueles olhares se transformaram em insultos e agressões – porque aquele guardador se viu autorizado a me agredir apenas porque achou que eu era um homossexual. É triste e difícil de acreditar”.

O crime ainda não foi registrado na delegacia.

1
Chuva forte deixa São Paulo debaixo d’água
A chuva que começou ontem não deu sinal de trégua e fez São Paulo amanhecer debaixo d’água nesta segunda-feira, 10. …
2
Coronavírus: aviões da FAB vão retirar brasileiros de Wuhan, na China
Dois aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) decolaram nesta quarta-feira, 5, em direção a Wuhan, na China, para retirar os …
3
BBB20: Mulheres decidem o destino de Pétrix Barbosa
A união das mulheres  decidiu o destino de Pétrix não apenas no Big Brother Brasil 20, mas também fora da …
4
Damares Alves: abstinência sexual, protesto e contradição?
Por que este grupo de mulheres deu as costas para a ministra Damares Alves enquanto ela defendia sua política de …
5
Bolsonaro e a demissão do secretário que viajou com jato da FAB
O presidente Jair Bolsonaro anunciou em sua conta no Twitter que vai tornar sem efeito a nomeação de José Vicente …
6
Visibilidade trans: a história de Thais de Azevedo
O que é violência para você? Para Thais de Azevedo essa pergunta resume uma trajetória de vida. Como mulher trans, …
7
Qual o impacto do feminismo na periferia ? Luana Hansen dá a letra
Dj, MC e produtora musical, Luana Hansen fez e faz história no movimento hip hop há, pelo menos, duas décadas. …
8
Brumadinho: relatos lembram a maior tragédia socioambiental do Brasil
Há um ano, a cidade de Brumadinho, região metropolitana de Belo Horizonte (MG) viveria um pesadelo difícil de ser esquecido.Era …