‘Ele soa como nós’, diz ex-líder da Ku Klux Klan sobre Bolsonaro

Após a repercussão, o candidato do PSL declarou no Twitter que 'recusa qualquer tipo de apoio vindo de grupos supremacistas'

Por: Redação | Comunicar erro
David Duke e Jair Bolsonaro
Crédito: ReproduçãoDavid Duke, ex-líder do grupo Ku Klux Klan nos Estados Unidos, fez ressalvas a Bolsonaro

O historiador norte-americano David Duke, ex-líder do grupo Ku Klux Klan (KKK) nos Estados Unidos, comentou sobre a política brasileira no programa de rádio que comanda e fez elogios ao candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro.

Ele soa como nós. E também é um candidato muito forte. É um nacionalista”, declarou Duke sobre o presidenciável. “Ele é totalmente um descendente europeu. Ele se parece com qualquer homem branco nos EUA, em Portugal, Espanha ou Alemanha e França. E ele está falando sobre o desastre demográfico que existe no Brasil e a enorme criminalidade que existe ali, como por exemplo nos bairros negros do Rio de Janeiro.”

“A verdade é que os movimentos nacionalistas, que são basicamente pró-europeus, estão definitivamente varrendo o planeta. Mesmo em um país que você jamais imaginaria”, reiterou Duke em referência à ascensão de Bolsonaro no Brasil.

Conhecido por negar o Holocausto, o historiador ainda fez ressalvas à proximidade do presidenciável do PSL com Israel e afirmou que Bolsonaro é parte de um fenômeno nacionalista global.

“Ele vai fazer coisas a favor de Israel, e acredito que ele esteja tentando adotar a mesma estratégia que Trump: acho que Trump sabe que o poder judaico está levando a América ao desastre, levando a Europa e o mundo ao desastre. Então, o que ele está tentando fazer é ser positivo em relação aos judeus nacionalistas em Israel como uma maneira de obter apoio”, disse.

O Ku Klux Klan, defensor da supremacia branca sobre negros e judeus, começou a atuar em 1865 nos Estados Unidos. Os integrantes costumavam usar capuzes brancos para proteger sua identidade e assustar as vítimas. O grupo foi responsável por muitas das torturas e linchamentos no país.

A BBC News Brasil procurou a campanha do candidato, que ainda não comentou as declarações do ex-líder do grupo. Duke também não respondeu aos pedidos de comentários enviados pelo veículo.

No Twitter, Jair Bolsonaro comentou a repercussão do caso e se defendeu: “Recuso qualquer tipo de apoio vindo de grupos supremacistas. Sugiro que, por coerência, apoiem o candidato da esquerda, que adora segregar a sociedade”. Veja abaixo:

1 / 8
1
04:31
Ministro da Educação bate-boca com manifestantes no Pará
De férias com a família em Alter do Chão (PA), o Ministro da Educação, Abraham Weintraub, se envolveu em uma …
2
02:46
Contra o machismo, Sandy e Junior mudam o final de Maria Chiquinha
Durante uma apresentação em Fortaleza, no Ceará, o cantor Junior deu uma lição contra o machismo e mudou o final …
3
02:21
[ALERTA GATILHO] Jovem descobre estupro coletivo após imagens vazarem
Uma jovem de 22 anos de idade foi vítima de estupro coletivo na Região Serrana do Rio de Janeiro (RJ), …
4
02:14
[ALERTA GATILHO] Menina pede pra morrer após ser estuprada
Após ser estuprada pelo primo, de 32 anos, menina de 5 anos pede pra morrer. O caso aconteceu em Cubatão, …
5
02:17
Mulheres vítimas de violência estão mais expostas à morte por doenças
Um estudo inédito do Ministério da Saúde divulgado pelo jornal Folha de S. Paulo revela que mulheres expostas à situações …
6
03:46
‘Pretendo beneficiar um filho meu, sim’ diz Bolsonaro sobre embaixada
Em uma transmissão ao vivo pelas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a nomeação de seu filho, …
7
03:15
Num ato de coragem, MBL pede desculpas publicamente
O jornalista Gilberto Dimenstein e a Catraca Livre já foram diversas vezes vítimas das milícias digitais do MBL com as …
8
03:04
O real motivo do ataque de Bolsonaro ao filme de Bruna Surfistinha
Jair Bolsonaro decidiu atacar o filme realizado por Deborah Secco sobre a ex-prostituta Bruna Surfistinha. Motivo oficial: o filme, usando …