Publicidade

Informar

Em protesto, MTST ocupa tríplex atribuído a Lula no Guarujá

Em protesto à condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, militantes do MTST ocuparam tríplex associado à condenação do petista no Guarujá

Por: Redação | Comunicar erro
...
Publicidade
Reprodução/Mídia Ninja
Crédito: Foto: Mídia NINJACerca de 30 manifestantes arrombaram a porta do apartamento atribuído à condenação do ex-presidente Lula na operação Lava Jato

Na manhã desta segunda-feira, 16, o tríplex atribuído à condenação e prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi ocupado por um grupo de manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST).

A ação foi anunciada no Twitter pelo pré-candidato à presidência e líder do movimento, Guilherme Boulos (PSOL). “MTST e a Povo Sem Medo acabam de ocupar o triplex do Guarujá, atribuído a Lula por Moro. Se é do Lula, o povo poderá ficar. Se não é, por que então ele está preso?”. Desde às 9h, Boulos transmite ao vivo a ocupação em sua página no Facebook.

Segundo informações da Folha de S.Paulo, cerca de 30 militantes das centenas de pessoas que se concentram em frente ao edifício Solaris, no Guarujá, pularam as as grades que dão acesso ao prédio e subiram as escadas que dão acesso ao apartamento.

Após arrombar a porta, o grupo estendeu bandeiras do movimento na varanda que dá vista para o mar. No local, entoavam gritos de apoio ao ex-presidente. “Não tem arrego. Ou solta o Lula ou não vai ter sossego”.

Em entrevista ao jornal, a integrante da Frente Povo Sem Medo, Andreia Barbosa, ressaltou que a ocupação será mantida o tempo que for preciso para reforçar a inocência do ex-presidente. “Se o apartamento é do Lula, ele que peça a integração de posse”, diz Andreia. A Polícia Militar foi acionada e está no local.

Compartilhe:

Publicidade
Publicidade

Museu de Anatomia Humana da USP exibe peças que ensina como o seu corpo funciona

Cereja Flor: O lugar das taças de sorvetes gigantes em São Paulo

Fondue taiwanês é a próxima delícia que você tem de provar

Médica tira dúvidas sobre anticoncepcional

Refugiados se tornaram microempreendedores em um lava-rápido em São Paulo

Publicidade