Ensaio fotográfico discute violência contra a mulher no Carnaval

Por: Redação

O assédio sexual é tão presente no Carnaval quanto a purpurina, o confete e a serpentina. Em uma das mais tradicionais manifestações culturais brasileiras, o machismo se dá de diferentes formas, desde a imagem veiculada do corpo feminino até o abuso nas ruas.

Em 2016, as denúncias de violência contra a mulher nesta época do ano cresceram 174% em comparação ao mesmo período do ano anterior. As informações foram divulgadas pelo Ligue 180, a Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência.

O projeto usa elementos do Carnaval para debater o assédio sexual
O projeto usa elementos do Carnaval para debater o assédio sexual

Para discutir essa questão, a fotógrafa e publicitária Julliane Albuquerque, do Rio de Janeiro, criou o ensaio “Alegoria“.  Nos autorretratos, ela usa elementos típicos do Carnaval para debater a violência contra a mulher de diferentes formas.

“O ensaio mistura as cores do Carnaval com as formas dos hematomas. Em uma série de fotos, elementos como serpentina, confete e purpurina denunciam a agressão feita por tantos homens nesse período. Que em 2017 as festas, as ruas e as alegrias sejam para todos”, afirma a fotógrafa.

Veja as fotos:

O projeto usa elementos do Carnaval para debater o assédio sexual
O projeto usa elementos do Carnaval para debater o assédio sexual
O projeto usa elementos do Carnaval para debater o assédio sexual
O projeto usa elementos do Carnaval para debater o assédio sexual
O projeto usa elementos do Carnaval para debater o assédio sexual
O projeto usa elementos do Carnaval para debater o assédio sexual
O projeto usa elementos do Carnaval para debater o assédio sexual
O projeto usa elementos do Carnaval para debater o assédio sexual

#CarnavalSemAssédio

Pelo segundo ano, o Catraca Livre promove a campanha #CarnavalSemAssédio com o objetivo de lutar por respeito na folia e pelo fim da violência contra a mulher. Quem está com a gente: a revista “Azmina” e os coletivos “Agora é que são elas”, “Nós, Mulheres da Periferia” e “Vamos juntas?”.

Confira todos os materiais da campanha neste link.

  • Paquerar, beijar e se divertir fazem parte da folia, mas com uma condição: é preciso respeitar as minas. Veja 7 situações que mostram o que você pode fazer para se divertir no Carnaval sem ser machista.

Compartilhe:

1
Entenda todos os desdobramentos das prisões em Alter do Chão
Os quatro brigadistas que haviam sido presos preventivamente na operação Fogo de Sairé, da Polícia Civil do Pará, deixaram a …
2
Ajude a manter vivo o sonho da única orquestra do mundo criada e manti
A Orquestra Sinfônica de Heliópolis é a única orquestra sinfônica do mundo mantida numa favela. Mensalmente são mais de 1.300 …
3
Novo partido de Bolsonaro participará das eleições em 2020?
Bolsonaro realizou na semana passada a convenção de lançamento de seu novo partido, a Aliança pelo Brasil, que terá o …
4
A indústria da morte nas estradas federais
Meses após a desativação dos radares móveis nas estradas federais do país, dados revelam um aumento nos casos de acidentes …
5
Governo Bolsonaro usa AI-5 como instrumento de ameaça?
Em viagem a Washington, nos Estados Unidos, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse a jornalistas para não se assustarem …
6
Bolsonaro e Witzel usam o Flamengo como palanque político?
Não é de hoje que o futebol é usado como palanque político no Brasil. A paixão nacional foi utilizada pelos …
7
Os sinais de um relacionamento abusivo
Identificar os sinais de um relacionamento abusivo e violento nem sempre é fácil. O controle é mascarado pela preocupação e …
8
Brasil pedirá ajudar internacional para controlar crise na Amazônia
O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, anunciou que o Brasil deve participar da Conferência do Clima da ONU (COP-25), …