Ensaio fotográfico discute violência contra a mulher no Carnaval

Por: Redação | Comunicar erro

O assédio sexual é tão presente no Carnaval quanto a purpurina, o confete e a serpentina. Em uma das mais tradicionais manifestações culturais brasileiras, o machismo se dá de diferentes formas, desde a imagem veiculada do corpo feminino até o abuso nas ruas.

Em 2016, as denúncias de violência contra a mulher nesta época do ano cresceram 174% em comparação ao mesmo período do ano anterior. As informações foram divulgadas pelo Ligue 180, a Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência.

O projeto usa elementos do Carnaval para debater o assédio sexual
O projeto usa elementos do Carnaval para debater o assédio sexual

Para discutir essa questão, a fotógrafa e publicitária Julliane Albuquerque, do Rio de Janeiro, criou o ensaio “Alegoria“.  Nos autorretratos, ela usa elementos típicos do Carnaval para debater a violência contra a mulher de diferentes formas.

“O ensaio mistura as cores do Carnaval com as formas dos hematomas. Em uma série de fotos, elementos como serpentina, confete e purpurina denunciam a agressão feita por tantos homens nesse período. Que em 2017 as festas, as ruas e as alegrias sejam para todos”, afirma a fotógrafa.

Veja as fotos:

O projeto usa elementos do Carnaval para debater o assédio sexual
O projeto usa elementos do Carnaval para debater o assédio sexual
O projeto usa elementos do Carnaval para debater o assédio sexual
O projeto usa elementos do Carnaval para debater o assédio sexual
O projeto usa elementos do Carnaval para debater o assédio sexual
O projeto usa elementos do Carnaval para debater o assédio sexual
O projeto usa elementos do Carnaval para debater o assédio sexual
O projeto usa elementos do Carnaval para debater o assédio sexual

#CarnavalSemAssédio

Pelo segundo ano, o Catraca Livre promove a campanha #CarnavalSemAssédio com o objetivo de lutar por respeito na folia e pelo fim da violência contra a mulher. Quem está com a gente: a revista “Azmina” e os coletivos “Agora é que são elas”, “Nós, Mulheres da Periferia” e “Vamos juntas?”.

Confira todos os materiais da campanha neste link.

  • Paquerar, beijar e se divertir fazem parte da folia, mas com uma condição: é preciso respeitar as minas. Veja 7 situações que mostram o que você pode fazer para se divertir no Carnaval sem ser machista.

Compartilhe:

1 / 8
1
06:43
Após ser acusado de comunista, Dimenstein cobra provas de Hasselmann
A deputada federal Joice Hasselmann perdeu a calma nas redes sociais ao atacar o jornalista Gilberto Dimenstein, acusando-o de militante …
2
04:53
Netflix e KondZilla lançam ‘Sintonia’, da periferia para o mundo
KondZilla tem razão quando afirma: "A favela venceu". “Sintonia”, a nova série da Netflix, prova isso. A ideia original é dele …
3
04:21
Sinais que indicam problemas no estômago
Ter tosse seca pode ser um sinal que o seu estômago não vai muito bem. Hoje, o Dr. Raul Cutait, médico …
4
03:43
O estrago de Frota é maior que o Bolsonaro poderia acreditar
Após ser expulso do PSL, o deputado federal Alexandre Frota confirmou sua filiação ao PSDB, partido de João Doria, governador …
5
03:03
Câmara aprova projeto de lei sobre abuso de autoridade
A Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que define quais situações configuram abuso de autoridade. Agora, o texto …
6
04:07
Um pedido de desculpas à Angela Merkel pelas ofensas de Bolsonaro
Depois de dizer a um repórter que ele deveria fazer cocô dia sim, dia não para preservar o meio ambiente, …
7
03:26
Mortes provocadas pelo fim dos radares deveriam ter nome de Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro determinou nesta quinta-feira, 15, a suspensão dos radares de fiscalização de velocidade móveis em rodovias federais …
8
04:56
‘Risk’, na Netflix, vaza a imagem não autorizada de Julian Assange
Será que, em um ato de coragem, você arriscaria sua própria liberdade para trazer à tona realidades que manipulam a …