Ernesto Araújo diz nunca ter atacado a China e web desmente

'Jamais promovi nenhum atrito com a China', disse o ex-ministro de Bolsonaro na CPI da Covid

Em depoimento à CPI da Covid na manhã desta terça-feira, 18, o ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo negou que tenha causado conflitos diplomáticos com a China.

“Jamais promovi atrito com a China”, disse o ex-chanceler, sendo reprendido pelo senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da Comissão, que estava mentindo.

‘Jamais promovi nenhum atrito com a China’, disse Ernesto Araújo na CPI da Covid
Créditos: Edilson Rodrigues/Agência Senado
‘Jamais promovi nenhum atrito com a China’, disse Ernesto Araújo na CPI da Covid

Em abril de 2020, Ernesto Araújo chamou o coronavírus de “comunavírus” e apontou ameaça de “pesadelo comunista” em artigo publicado em seu blog. O ex-chanceler disse à comissão que o texto era uma interpretação sua do artigo de outro autor, o renomado filósofo esloveno Slavoj Zizek, que desmentiu o ex-ministro de Bolsonaro na ocasião. “Ele não entendeu a questão”, afirmou o intelectual.

“Jamais promovi nenhum atrito com a China, seja antes seja durante pandemia, de modo que o resultado que obtivemos na consecução de vacinas e outros aspectos decorre de uma politica externa de acordo com nossos objetivos, mas não era de alinhamento aos Estados Unidos nem de enfrentamos com a China”, afirmou Araújo.

Ernesto Araújo também se eximiu da responsabilidade dos conflitos com o país asiático, que vem ocasionado atrasos na entrega de insumos para a produção da vacina CoronaVac pelo Instituto Butantan. “Minha responsabilidade, entendo que nenhuma. Nada que tenha feito pode ser interpretado como percalços no recebimento de insumos”, afirmou. “Não vejo hostilidade em relação à China”, acrescentou.

https://twitter.com/veramagalhaes/status/1394676307598794759

Web lembra ataques à China

A reação da web às mentiras do ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo foi imediata.

No Twitter, internautas lembram os ataques do ex-ministro de Bolsonaro à Cina. Veja reações abaixo: