Estudo afirma que crianças que levam palmadas têm mais chances de desenvolverem problemas mentais

Castigo físico não funciona e não deve ser aplicado em crianças. Porém, apesar de cada dia mais esta informação ser de conhecimento da população, ainda é muito grande o número de pais que usam a palmada como forma de punir seus filhos.

Recentemente uma pesquisa feita por especialistas da Universidade do Texas, em Austin, e da Universidade de Michigan, divulgou que quanto mais uma criança for espancada, maior a possibilidade dela desenvolver um comportamento antissocial, agressividade, problemas de saúde mental e dificuldades cognitivas.

  • Por meio do desenho, projeto dá voz e visibilidade à crianças refugiadas e seus direitos violados

O estudo, que foi publicado no Journal of Family Psychology, analisou mais de 160 mil crianças por 50 anos. Segundo os pesquisadores, esta é a análise mais completa realizada até o momento sobre espancamentos e também sobre os efeitos das palmadas – se comparada a trabalhos anteriores, que incluíam outros tipo de agressões físicas em suas pesquisas.

Segundo Elizabeth Gershoff, professora de Desenvolvimento Humano e Ciências da Família da Universidade do Texas, e uma das autoras da pesquisa, foi observado que a palmada está associada a resultados negativos de forma consistente e em todos os tipos de estudos, incluindo aqueles que utilizam metodologias mais fortes.

E, de acordo com Andrew Grogan-Kaylor, professor da Escola de Serviços Sociais da Universidade de Michigan e coautor do estudo, a análise também concluiu que a palmada não só não funciona como punição, como as crianças que são espancadas são mais propensas a aplicarem o castigo físico em seus próprios filhos no futuro – ou seja, o castigo físico é passado de geração em geração.

Ainda de acordo com a pesquisa, a surra e o abuso físico estão associados aos mesmos resultados prejudiciais às crianças, quase que na mesma intensidade. Os pesquisadores explicam que a palmada está ligada às mesmas consequências negativas do abuso, somente em um grau menor.

A intenção do estudo, segundo seus autores, é ajudar a conscientizar mais os pais em relação aos danos das palmadas e fazê-los entender que há maneiras positivas e não punitivas de disciplinar uma criança.

Com informações da Universidade do Texas

Leia mais:

1 / 8
1
03:46
‘Pretendo beneficiar um filho meu, sim’ diz Bolsonaro sobre embaixada
Em uma transmissão ao vivo pelas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a nomeação de seu filho, …
2
03:15
Num ato de coragem, MBL pede desculpas publicamente
O jornalista Gilberto Dimenstein e a Catraca Livre já foram diversas vezes vítimas das milícias digitais do MBL com as …
3
03:04
O real motivo do ataque de Bolsonaro ao filme de Bruna Surfistinha
Jair Bolsonaro decidiu atacar o filme realizado por Deborah Secco sobre a ex-prostituta Bruna Surfistinha. Motivo oficial: o filme, usando …
4
02:13
Entenda os desdobramentos do caso Tabata Amaral no PDT
O PDT suspendeu a deputada federal Tabata Amaral e outros sete parlamentares que votaram a favor da reforma da Previdência, …
5
02:03
Incêndio em estúdio de animação em Japão deixa dezenas de mortos
Dezenas de pessoas morreram durante um incêndio criminoso que tomou conta do estúdio de animação da Kyoto Animation, na cidade …
6
02:19
Barragem abandonada corre risco de rompimento no interior de SP
Uma matéria publicada pelo G1 alerta para o risco de rompimento da barragem de água em Iaras, no interior de …
7
02:30
O que significa a gargalhada de Caetano Veloso?
Um vídeo do cantor Caetano Veloso gargalhando está viralizando nas redes sociais. O motivo da piada é a entrevista que …
8
01:51
Site ‘Não me Perturbe’ permite bloquear ligações de telemarketing
A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) lançou o Não me Perturbe, site que permite bloquear ligações de telemarketing. O sistema …