Estudo mostra ligação entre ambientes
urbanos e saúde mental das crianças

foto: Shutterstock
Estudo relaciona problemas urbanos com a psicose infantil.

Um novo estudo britânico descobriu que sintomas da psicose infantil podem ser provocados a partir de ambientes urbanos, como os crimes e uma falta de confiança em vizinhos, por exemplo.

A pesquisa – conduzida por Candice Odgers, professora de Psicologia, Neurociência e Políticas Públicas, e por Helen Fisher, professora da faculdade King’s College, em Londres – foi a primeira a determinar especificamente a associação entre os ambientes urbanos e a psicose.

O estudo descobriu que a baixa coesão social e a vitimização criminal, juntas, correspondem a quase um quarto das razões que levam crianças de 12 anos de idade – que vivem em áreas urbanas desde os cinco anos – a desenvolverem sintomas psicóticos.

Segundo Candice Odgers, em entrevista ao The Chronicle, a intenção do estudo era “olhar para dentro de comunidades e ver quais fatores específicos poderiam explicar os motivos de as crianças que crescem em bairros pobres ou urbanos mostrarem os piores resultados de saúde”.

Foto: Shutterstock
Psicose infantil pode estar relacionada aos ambientes urbanos onde vivem as crianças.

Sintomas de psicose são associados com outras doenças mentais, como esquizofrenia, abuso de substâncias, depressão, transtorno de estresse pós-traumático e comportamento suicida, embora os primeiros sintomas de psicose sejam geralmente temporários.

A análise – realizada com 2.232 crianças britânicas desde o nascimento até os 12 anos de idade – constatou que 4,4% dos pesquisados que vivem em áreas não urbanas desenvolveram pelo menos um sintoma psicótico definitivo, enquanto que as crianças urbanas apresentaram 7,4% dos sintomas, quase o dobro.

Especificamente, o estudo examinou os processos sociais de coesão social, controle social, transtornos de vizinhos e vitimização criminal entre bairros. Além de descobrir que uma coesão social mais baixa e a maior vitimização foram associados aos sintomas psicóticos, a análise constatou que grandes desordens – como problemas com vizinhos barulhentos e vandalismo – e conflitos nos quais membros de uma comunidade tomam medidas contra ações indesejadas, também estão ligados ao mesmo diagnóstico.

Para os pesquisadores, este trabalho levanta implicações possíveis para a medicina, que muitas vezes só cogita a família como fator de ligação entre uma criança e a psicose. Os estudiosos ainda sugerem que a descoberta pode ser valiosa para intervenções a problemas como a pobreza.

Com informações de Child in the City.

Veja também:

Compartilhe:

1 / 8
1
01:45
Catedral de Notre Dame: 8 séculos de história queimam em Paris
Um incêndio de grandes proporções atingiu a Catedral de Notre Dame, em Paris. O local é um dos pontos turísticos …
2
02:29
Vídeo analisa a maior irresponsabilidade na vida de Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro mandou desativar os radares de rodovias federais. Será que é uma boa ideia? A Folha de São …
3
05:43
Entenda a proposta de Bolsonaro para a educação domiciliar
O presidente Jair Bolsonaro assinou o projeto de lei que pretende regulamentar a educação domiciliar no país. Se aprovada pelo …
4
36s
Conheça o Norbert o cãozinho que faz todo mundo sorrir
Ele tem 17 cm e pesa 1,5 kg de pura fofura.
5
02:19
Katie Bouman: a mulher responsável pela foto do buraco negro
A cientista da computação Katie Bouman mudou a história da ciência ao liderar a equipe de 200 pesquisadores que capturou …
6
05:10
Danilo Gentili é considerado culpado e pode ir preso
O apresentador Danilo Gentili foi condenado a seis meses e 28 dias de prisão por conta do caso envolvendo a …
7
02:29
Decisões de Bolsonaro podem colocar em risco a segurança pública
Gilberto Dimenstein comenta algumas das últimas decisões do governo. Os novos projetos e definições - nas áreas de trânsito e …
8
03:09
Quem é Abraham Weintraub, o novo ministro da Educação?
O presidente Jair Bolsonaro anunciou através de sua conta no Twitter o novo ministro da Educação. Agora, será a vez …