Estudo mostra ligação entre ambientes
urbanos e saúde mental das crianças

foto: Shutterstock
Estudo relaciona problemas urbanos com a psicose infantil.

Um novo estudo britânico descobriu que sintomas da psicose infantil podem ser provocados a partir de ambientes urbanos, como os crimes e uma falta de confiança em vizinhos, por exemplo.

A pesquisa – conduzida por Candice Odgers, professora de Psicologia, Neurociência e Políticas Públicas, e por Helen Fisher, professora da faculdade King’s College, em Londres – foi a primeira a determinar especificamente a associação entre os ambientes urbanos e a psicose.

O estudo descobriu que a baixa coesão social e a vitimização criminal, juntas, correspondem a quase um quarto das razões que levam crianças de 12 anos de idade – que vivem em áreas urbanas desde os cinco anos – a desenvolverem sintomas psicóticos.

Segundo Candice Odgers, em entrevista ao The Chronicle, a intenção do estudo era “olhar para dentro de comunidades e ver quais fatores específicos poderiam explicar os motivos de as crianças que crescem em bairros pobres ou urbanos mostrarem os piores resultados de saúde”.

Foto: Shutterstock
Psicose infantil pode estar relacionada aos ambientes urbanos onde vivem as crianças.

Sintomas de psicose são associados com outras doenças mentais, como esquizofrenia, abuso de substâncias, depressão, transtorno de estresse pós-traumático e comportamento suicida, embora os primeiros sintomas de psicose sejam geralmente temporários.

A análise – realizada com 2.232 crianças britânicas desde o nascimento até os 12 anos de idade – constatou que 4,4% dos pesquisados que vivem em áreas não urbanas desenvolveram pelo menos um sintoma psicótico definitivo, enquanto que as crianças urbanas apresentaram 7,4% dos sintomas, quase o dobro.

Especificamente, o estudo examinou os processos sociais de coesão social, controle social, transtornos de vizinhos e vitimização criminal entre bairros. Além de descobrir que uma coesão social mais baixa e a maior vitimização foram associados aos sintomas psicóticos, a análise constatou que grandes desordens – como problemas com vizinhos barulhentos e vandalismo – e conflitos nos quais membros de uma comunidade tomam medidas contra ações indesejadas, também estão ligados ao mesmo diagnóstico.

Para os pesquisadores, este trabalho levanta implicações possíveis para a medicina, que muitas vezes só cogita a família como fator de ligação entre uma criança e a psicose. Os estudiosos ainda sugerem que a descoberta pode ser valiosa para intervenções a problemas como a pobreza.

Com informações de Child in the City.

Veja também:

1 / 8
1
04:53
Netflix e KondZilla lançam ‘Sintonia’, da periferia para o mundo
KondZilla tem razão quando afirma: "A favela venceu". “Sintonia”, a nova série da Netflix, prova isso. A ideia original é dele …
2
04:21
Sinais que indicam problemas no estômago
Ter tosse seca pode ser um sinal que o seu estômago não vai muito bem. Hoje, o Dr. Raul Cutait, médico …
3
03:43
O estrago de Frota é maior que o Bolsonaro poderia acreditar
Após ser expulso do PSL, o deputado federal Alexandre Frota confirmou sua filiação ao PSDB, partido de João Doria, governador …
4
03:03
Câmara aprova projeto de lei sobre abuso de autoridade
A Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que define quais situações configuram abuso de autoridade. Agora, o texto …
5
04:07
Um pedido de desculpas à Angela Merkel pelas ofensas de Bolsonaro
Depois de dizer a um repórter que ele deveria fazer cocô dia sim, dia não para preservar o meio ambiente, …
6
03:26
Mortes provocadas pelo fim dos radares deveriam ter nome de Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro determinou nesta quinta-feira, 15, a suspensão dos radares de fiscalização de velocidade móveis em rodovias federais …
7
04:56
‘Risk’, na Netflix, vaza a imagem não autorizada de Julian Assange
Será que, em um ato de coragem, você arriscaria sua própria liberdade para trazer à tona realidades que manipulam a …
8
07:44
Saiba tudo sobre os métodos anticoncepcionais
Prevenção é essencial quando o assunto é relação sexual. Hoje, há outros modos de prevenção que vão além da pílula e …