Magno Malta, candidato de Bolsonaro, perde Senado do ES para gay

Informar

FHC revela reservadamente a amigos: ‘Vou de Haddad. Não há saída’

Publicamente, FHC decidiu ainda não manifestar seu apoio. Afirma que não votará em Bolsonaro. Mas, no segundo turno, vai anular seu voto

Por: Gilberto Dimenstein | Comunicar erro
O candidato do PT, Fernando Haddad, e o ex-presidente FHC

“Não tenho alternativa. Estou com o Haddad”, afirmou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, ao avaliar os caminhos que o PSDB deveria seguir no segundo turno, em conversa reservada com amigos.

Mas será um apoio com restrições, já que o ex-presidente tem ressalvas profundas sobre a política econômica e relações exteriores do PT.

Publicamente, FHC ainda decidiu não manifestar seu apoio. Afirma que não votará em Bolsonaro. Mas, no segundo turno, vai anular seu voto.

Logo depois de divulgada a confidência e o impacto da revelação dentro do partido, que ainda não tomou a posição oficial, ele fez um twitter dizendo que votaria nulo.

Fernando Henrique Cardoso on Twitter

As redes divulgam que apoiarei Haddad. Mentira: nem o PT nem Bolsonaro explicitaram compromisso com o que creio. Por que haveria de me pronunciar sobre candidaturas que ou são contra ou não se definem sobre temas que prezo para o país e o povo?

Ao jornalista Bernardo Melo Franco, de O Globo, ele declarou:
“Nenhum dos dois é do meu agrado, mas o Bolsonaro está excluído. Não tem sentido. O Bolsonaro não tem jeito. É uma folha seca que vai com o vento. E a ventania está forte”, disse, deixando em aberto se iria ou não apoiar Fernando Haddad.

Na conversa com o colunista de “O Globo”, FHC também criticou Haddad””

“O PT levou o Brasil ao buraco econômico. O Haddad começou a campanha vestindo a máscara do Lula”, criticou.

“Quem ganhou a eleição tem que dizer o que vai fazer com o país. Por que eu vou sair correndo para apoiá-lo? Vou esperar”, disse.

Em coluna anterior de Bernardo Mello Franco já admitia uma aliança PT- PSDB, quando ainda havia alguma esperança de Geraldo Alckmin decolar:

“Não farei objeção a que o PT nos apoie. Naturalmente, isso significa também que não haveria objeção ao contrário. Mas nós pensamos de forma diferente”.

Há algum tempo, ele dizia, reservadamente, que Geraldo Alckmin não teria chances nesta eleição.

Desde o ano passado, ele insistia em nome alternativo que estivesse fora da política: Luciano Huck. Mas não deu certo.

FHC diz que não gostaria de ver da volta do PT ao Planalto, por considerar que o partido não defende o que considera as reformas necessárias para o país – especialmente a da Previdência. Considera, ainda, que o PT não tem uma visão econômica “correta” sobre como devolver o crescimento ao país, já que defende uma presença forte do Estado.

Mesmo assim, o tucano considera que Bolsonaro seria uma opção pior, uma “ameaça” à democracia. FHC suspeita que, com o deputado, haverá um risco autoritário permanente e crise institucional, devido à sua fragilidade de apoios no Congresso.

Na época da ditadura, FHC foi exilado. Existe também uma questão pessoal: o candidato do PSL chegou a dizer, em entrevista a uma emissora, que fuzilaria Fernando Henrique Cardoso, acusando-o de corrupção.

Apesar das divergências políticas, FHC tem um bom relacionamento pessoal com Haddad – ambos têm a mesma base acadêmica, a USP. Haddad já disse publicamente que pretende procurar o PSDB para obter apoio na disputa de um eventual segundo turno.

Acompanhe outros conteúdos ligados às eleições deste ano nesta página especial

Editorial: um pacto de responsabilidade para Bolsonaro e Haddad

Compartilhe:

Autor: Gilberto Dimenstein

Jornalista, educador e fundador da Catraca Livre.