Colégio não toma atitude contra bullying e garoto se suicida

Por: Redação | Comunicar erro

“Eu desisto”, escreveu Daniel Fitzpatrick, de 13 anos, em sua carta de despedida. Segundo ele, os seus colegas da escola o atormentavam há muito tempo e a direção da instituição de ensino não fazia nada a respeito, mesmo após ele e os seus pais terem feito uma reclamação formal.

A resposta teria sido “Calma tudo vai ficar bem. É só uma fase, vai passar”.

Daniel Fitzpatrick, de apenas 13 anos de idade
Daniel Fitzpatrick, de apenas 13 anos de idade

A escola, que se chama Holy Angels Catholic Academy, fica em Nova York, nos Estados Unidos, e até o fechamento desta matéria não se pronunciou a respeito. Infelizmente, casos assim podem acontecer em qualquer lugar do mundo, porém, ainda são pouco divulgados.

A palavra bullying é um termo estrangeiro recente, mas sempre aconteceu em praticamente todas as escolas, seja atualmente ou no passado. E isso é grave, precisa ser discutido dentro e fora das salas de aula, tanto pelos pais como por todos os profissionais das áreas pedagógicas.

Carta de suicídio escrita por Daniel
Carta de suicídio escrita por Daniel

O pai de Daniel Fitzpatrick resolveu revelar a triste história do seu filho, inclusive a carta de suicídio e a sua foto, justamente para que casos assim não voltem a acontecer. “Nenhum pai deveria ter que enterrar seu filho. Nenhuma criança deveria passar pelo que o meu filho passou”, disse ele.

A mãe do garoto disse que as crianças o xingavam de diversos nomes dentro da sala de aula e também atiravam coisas contra ele. Ao longo do tempo, isso foi o deixando cada vez mais triste e frustrado.

Antes que alguém questione o motivo dos pais não terem transferido Daniel do colégio, fica óbvio que culpá-los pela situação é tão cruel quanto o bullying sofrido pela criança. O que precisa mudar é a maneira e seriedade com que encaramos este assunto.

Deve-se ensinar desde cedo, seja dentro de casa ou da sala de aula, que oprimir e ofender as pessoas é errado. Quando vemos alguém fazendo isso, seja uma criança ou adulto, é o nosso dever intervir.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, o suicídio é atualmente a terceira causa de mais mortes durante a adolescência.

Aliás, qual a última vez que você conversou com o seu filho ou alunos sobre o bullying? É importante perguntar se ele pratica ou recebe este tipo de comportamento.

Compartilhe:

1 / 8
1
06:43
Após ser acusado de comunista, Dimenstein cobra provas de Hasselmann
A deputada federal Joice Hasselmann perdeu a calma nas redes sociais ao atacar o jornalista Gilberto Dimenstein, acusando-o de militante …
2
04:53
Netflix e KondZilla lançam ‘Sintonia’, da periferia para o mundo
KondZilla tem razão quando afirma: "A favela venceu". “Sintonia”, a nova série da Netflix, prova isso. A ideia original é dele …
3
04:21
Sinais que indicam problemas no estômago
Ter tosse seca pode ser um sinal que o seu estômago não vai muito bem. Hoje, o Dr. Raul Cutait, médico …
4
03:43
O estrago de Frota é maior que o Bolsonaro poderia acreditar
Após ser expulso do PSL, o deputado federal Alexandre Frota confirmou sua filiação ao PSDB, partido de João Doria, governador …
5
03:03
Câmara aprova projeto de lei sobre abuso de autoridade
A Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que define quais situações configuram abuso de autoridade. Agora, o texto …
6
04:07
Um pedido de desculpas à Angela Merkel pelas ofensas de Bolsonaro
Depois de dizer a um repórter que ele deveria fazer cocô dia sim, dia não para preservar o meio ambiente, …
7
03:26
Mortes provocadas pelo fim dos radares deveriam ter nome de Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro determinou nesta quinta-feira, 15, a suspensão dos radares de fiscalização de velocidade móveis em rodovias federais …
8
04:56
‘Risk’, na Netflix, vaza a imagem não autorizada de Julian Assange
Será que, em um ato de coragem, você arriscaria sua própria liberdade para trazer à tona realidades que manipulam a …