Guerra nas redes sociais derruba páginas ligadas a temas feministas e LGBT

Ataques criam clima de guerra fria nas redes sociais, dividindo entusiastas do orgulho hétero e movimentos feministas

Por: Redação

Se nos últimos 50 anos, esquerda e direita travaram suas diferenças por meio de embates na política, cultura ou até mesmo nas ruas, os dias atuais ficarão lembrados por transferir o conflito para as  redes sociais, revivendo os tempestuosos dias de Guerra Fria – que até 1989 dividiu o mundo em dois blocos.

Tudo porque, no último dia 1º de novembro, a página Orgulho de ser hétero, que reunia dois milhões de pessoas, propagando conteúdos, sobretudo, machistas e de natureza homo(trans)fóbica, foi desativada após série de denúncias contra as postagens ali publicadas.

Reprodução
Postagem retrata conflito entre convicções políticas nas redes sociais

Coincidentemente, horas depois, ao menos cinco páginas ligadas aos direitos LGBTT, das mulheres e de pautas tidas como ” de esquerda”, num passe de mágica, desapareceram da rede social. Foram elas: “Feminismo sem demagogia”, “Jovens de Esquerda, “Cartazes e Tirinhas LGBT” e “Moça, Você é Machista”.

As suposições ganham status ainda mais conspiratórios quando diversos comentários contendo a hashtag #OOrgulhotavoltando passaram a circular nas publicações da rede social.

*Atualização em 4/11, às 17h25: A página “Jout Jout Prazer”, que também havia sido derrubada, voltou ao ar nesta quarta-feira. Por meio de sua assessoria de imprensa, o Facebook se desculpou pelas inconveniências causadas e admitiu que houve “erro de avaliação de denúncia”. A rede social afirmou ainda que “dado o volume de conteúdos na plataforma, mesmo que tentemos manter uma taxa de 99% de acertos, ocasionalmente cometeremos erros”.

Mas como funciona a política de denúncias do FB? 

De acordo com as regras da rede social, se o post for uma violação clara dos termos de uso da plataforma, sim. Isso tem sido frequente em casos de quebra de direitos autorais e perfis falsos. Mas, se o assunto é conteúdo ofensivo, a denúncia pode ser perder na subjetividade dos avaliadores.

Quando você questiona um conteúdo no Facebook, exige-se uma razão para justificar a denúncia. A partir daí, ela é avaliada por um funcionário – centenas que estão distribuídos ao redor do mundo e entendem mais de 24 línguas. Disponíveis todos os dias para atendimento, a equipe responsável pelas denúncias é dividida em quatro grupos divididos em: segurança, ódio e intimidação, acesso e de conteúdo abusivo.

A justificativa indicada que filtra o que vai para cada equipe. Se um dos avaliadores considerar que o conteúdo denunciado fere os termos de uso da rede, ele será removido e seu autor notificado. O autor também pode sofrer sanções às suas publicações – desde restrição de certas palavras e desativação da conta ao encaminhamento às autoridades competentes.

Compartilhe: