Descubra por que cada vez mais pessoas se tornam vegetarianas

O contador Bruno Navarro, de 29 anos, ficou surpreso ao receber uma homenagem em um restaurante chinês de sua cidade, Cornélio Procópio, depois que decidiu adotar uma dieta vegana.

A maioria dos restaurantes do pequeno município paranaense de cerca de 50 mil habitantes não oferecia refeições sem carne ao seus clientes. Por isso, o jovem teve que bater muito o pé para convencer os estabelecimentos a incluir ao menos uma opção no cardápio sem nenhum produto de origem animal.

Amigo do dono do restaurante chinês, o contador não só conseguiu essa proeza como também um reconhecimento: ganhou dois pratos veganos com seu nome, o “yakissoba Bruno” e o “tepan-yaki Bruno”.

Se sua influência parou por aí? “Tenho dois amigos da cidade que estão abrindo um restaurante e já me contaram que começaram a testar opções vegetarianas e veganas para colocar no cardápio”, contou ao Catraca Livre.

Para quem não sabe, ser “vegano” significa adotar uma dieta vegetariana estrita (que não utiliza nenhum produto de origem animal na alimentação) e também excluir do dia a dia qualquer produto que gere exploração ou sofrimento animal. Já o “vegetarianismo” exclui todos os tipos de carne da alimentação.

A história bem-sucedida de Bruno não é um caso isolado. Pelo contrário: a filosofia “vegan” está em alta. No Brasil, cada vez mais pessoas mostram-se curiosas em descobrir os benefícios dessa dieta – seja por razões éticas ou de saúde.

Segundo dados do Google Trends, as buscas por termos veganos no país aumentaram 700% de 2012 a 2015. No mundo, no mesmo período, o crescimento foi de 98%.

Embora muita gente ainda questione os motivos que levam cada vez mais pessoas se tornarem vegetarianas – basta olhar as críticas nas redes sociais sempre que o assunto é mencionado –, vale fazer o exercício: você já parou para pensar e tentar entender o que faz tanta gente adotar essa prática?

Em busca de um maior entendimento sobre essa questão, convidamos pessoas de diferentes faixas etárias e cidades do Brasil para responder a seguinte pergunta: o que fez você se tornar vegetariano ou vegano? Confira as respostas nas ilustrações abaixo:

Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira
Ilustração: Adolfo Martins / Layout: Gabriel Nogueira

(Materiais citados nas ilustrações: documentário “A Carne é Fraca” / revista “A Coragem de Fazer o Bem” / documentário “Uma Vida Interligada“). 

Ser vegetariano é ser sustentável?

Algumas pessoas com grande visibilidade na mídia, como a apresentadora Sabrina Sato e a atriz Cléo Pires, ajudam a difundir a mensagem de campanhas que incentivam o vegetarianismo. É o caso da “Segunda Sem Carne“, uma das ações mais notórias sobre o assunto.

Encabeçada pela Sociedade Vegetariana Brasileira, a campanha procura conscientizar as pessoas sobre os impactos que o uso de produtos de origem animal tem sobre o planeta, as pessoas e os animais.

Um dossiê elaborado pela SVB comprova que ser vegetariano é uma das maneiras mais eficazes para frear a destruição do planeta. Ele revela, por exemplo, que, no mundo, por ano, são criados e abatidos mais de setenta bilhões de animais terrestres e uma quantidade ainda maior de animais aquáticos. 

Como esses animais demandam muito espaço, comida, água e energia, fica claro que as crises ambientais que estamos vivendo são profundamente ampliadas pelo consumo de carne e seus derivados. Só para ter uma ideia, atualmente, quase 30% das áreas terrestres do planeta, o equivalente à área do continente africano, são usadas como pastos – incluindo a Amazônia, onde quase 70% de sua área é usada como pasto.

O setor agropecuário é responsável por mais de 90% do consumo global de água, sendo que um terço deste volume se destina à irrigação e crescimento de cultivos para produzir ração. Se não fosse necessário criar e alimentar animais que são destinados ao abate, poderíamos aumentar em cerca de 50% a quantidade de calorias disponíveis para consumo produzidas em terras agrícolas já existentes, e obter o suficiente para alimentar mais 3,5 bilhões de pessoas no planeta.

O vegetarianismo no Brasil

A última pesquisa do IBOPE sobre o assunto, feita em 2012, mostra que 8% da população brasileira se declara vegetariana, porém acredita-se que de lá pra cá esse porcentual tenha crescido consideravelmente.

No mundo, o país com o maior número de vegetarianos é a Índia (40%), a terra do mais famoso praticante da dieta, o líder Mahatma Gandhi.

Compartilhe: