Influenciadores usam posts pagos para campanha pró-Bolsonaro

As redes sociais proíbem o impulsionamento de conteúdo para terceiros

Por: Redação | Comunicar erro
bolsonaro
Crédito: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência BrasilEx-candidatos e pessoas comuns aparecem entre os que patrocinam a campanha de Bolsonaro

Influenciadores têm feito anúncios pagos no Facebook para promover campanha ao candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) e criticar seu adversário, Fernando Haddad (PT). As redes sociais proíbem o impulsionamento de conteúdo para terceiros.

Segundo a lei eleitoral, apenas candidatos, partidos políticos, coligações e seus representantes podem usar esse recurso. A regra diz que posts pagos devem ser descritos como propaganda eleitoral e não podem ter críticas a outros candidatos.

Além de influenciadores digitais, ex-candidatos e pessoas comuns aparecem entre os que patrocinam a campanha de Bolsonaro. Por exemplo, um usuário identificado como Ricardo Santi, que está por trás de vários sites, não segue as regras descritas acima. O influenciador pagou 11 anúncios para promover Bolsonaro e criticar Haddad.

De acordo com informações da Folha de S.Paulo, algumas publicações impulsionadas são da página “Eu amo meu nordeste”. Há postagens que mostram Cid Gomes (PDT) criticando o PT e o candidato Bolsonaro anunciando 13º salário para beneficiados pelo Bolsa Família.

Santi também impulsiona conteúdo por meio da página “Operação Bolsonaro” e mantém os perfis “Reacionário de Topete” e “Time Bolsonaro”.

Em nota enviada ao jornal, o Facebook afirmou que respeita a Justiça brasileira. “Cumprimos decisões judiciais de remoção de conteúdo específico, nos termos da legislação eleitoral e do Marco Civil da internet”, diz o comunicado.

WhatsApp notifica agências

Após o esquema descoberto pela Folha de S. Paulo, o WhatsApp enviou notificação extrajudicial para as agências Quickmobile, Yacows, Croc services e SMS Market determinando que elas cancelem o envio de mensagens em massa e parem de usar os números de celulares obtidos pela internet. As contas dessas agências na rede social também foram banidas.

Segundo a reportagem publicada nesta quinta-feira, 8, empresários bancaram ilegalmente campanhas anti-PT com pacotes de disparos de mensagens em massa no WhatsApp. A prática é proibida pela legislação eleitoral porque representa uma doação não declarada feita por empresas.

Se forem comprovadas as irregularidades, a agência AM4 e outras serão notificadas pela Justiça. De acordo com o WhatsApp, o envio de mensagens com conteúdo eleitoral não fere as regras desde que utilize apenas nomes e telefones de apoiadores dos próprios candidatos, que voluntariamente os cederam.

Porém, o que foi feito é ilegal, pois diversas agências venderam bases de usuários de terceiros, de origem desconhecida, segmentadas por região e perfil. “Estamos tomando medidas legais para impedir que empresas façam envio maciço de mensagens no WhatsApp e já banimos as contas associadas a estas empresas”, informou o WhatsApp em nota.

Nesta sexta-feira, 19, a a presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), a ministra Rosa Weber, fará uma reunião com PT e aliados para discutir o caso.

Compartilhe:

1 / 8
1
04:17
Estadão, Folha e O Globo apontam possível queda de Bolsonaro
Os jornais O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo e O Globo - de maior circulação no país - …
2
04:56
Maconha e nudez usadas no WhatsApp contra universidades
Entenda como o pensamento de Olavo de Carvalho, guru de Jair Bolsonaro, impactou e instaurou uma crise generalizada em uma …
3
03:22
Teoria da conspiração associa facada em Bolsonaro ao filho Carlos
Teorias conspiratórias são, por definição, baseadas na irrealidade. Em alguns casos, em loucura. Mas uma em especial tem ganhado destaque …
4
04:04
Justiça quebra sigilo bancário de Flávio Bolsonaro e Queiroz
As acusações envolvendo esquemas de corrupção no gabinete de Flávio Bolsonaro estão ganhando um novo capítulo. Pedra no sapato do …
5
02:52
Bolsonaro diz que vai indicar Sergio Moro para vaga no Supremo
O presidente Jair Bolsonaro se comprometeu em indicar o ministro Sergio Moro para uma vaga no Supremo Tribunal Federal. A …
6
03:41
Movimentos estudantis convocam ato contra os cortes na educação
Um ato marcado para esta quarta-feira, 15 de maio, promete mobilizar secundaristas, universitários, pós-graduandos, professores e outros profissionais contra os …
7
06:06
A construção do papel de mãe para quem opta pela adoção
O depoimento de Rosangela Ferreira faz parte do especial Mãe não é tudo igual, que destaca que cada maternidade tem …
8
06:33
O drama de retornar ao trabalho após a licença maternidade
O depoimento de Maria da Conceição faz parte do especial Mãe não é tudo igual, que destaca que cada maternidade …