Iraniana condenada por entrar em estádio ateia fogo em si e morre

Ela soube que ficaria presa seis meses pela infração. No Irã mulheres são proibidas de assistirem jogos de futebol no estádio

Por: Redação

Uma iraniana morreu após ter colocado fogo em si mesma ao saber que poderia ficar presa por seis meses por ter entrado em um estádio de futebol. A torcedora Sahar Khodayari, de 30 anos, morreu na última segunda-feira (9), em Teerã, capital do Irã, do lado de fora de uma corte. Ela torcia pelo Esteghlal, um dos times mais populares do Irã.

Crédito: Reprodução/InstagramIraniana condenada por entrar em estádio ateia fogo em si e morre

De acordo com informações do UOL, ela foi hospitalizada com queimaduras graves em 90% do corpo e não resistiu aos ferimentos.

A torcedora tinha tentado, em março, entrar no estádio de futebol com uma peruca azul e um casaco masculino no estádio, mas acabou descoberta pelas autoridades. A mulher ficou detida em uma prisão de Teerã por alguns dias.

A FIFA emitiu, nesta terça-feira, uma nota lamentando a morte da mulher: “A Fifa estende suas condolências para a família e os amigos de Sahar e reinteramos nossos pedidos às autoridades iranianas para garantir a liberdade e a segurança de qualquer mulher engajada nesta luta legítima para acabar com a proibição de mulheres em estádios no Irã”.

De acordo com a agência de notícias Shafaghna, a morte de Sahar causou comoção no Irã. O Esteghlal emitiu comunicado em solidariedade à família da vítima. O ex-meia iraniano Ali Karimi, que jogou no Bayern de Munique, pediu boicote aos jogos no Irã como forma de protesto pela morte da torcedora. Ele é defensor do fim da proibição de mulheres nos estádios, algo que é estabelecido por lei no Irã até hoje.

A parlamentar Parvaneh Salahshouri, por sua vez, disse que a ativista é a “Garota do Irã” e tuitou que “somos todos responsáveis” pela morte de Khodayari.