Jovem é estuprada após marcar encontro por app no litoral de SP

Estudante contou à polícia que foi enganada e estuprada pelo namorado da suspeita. que alegou estar sozinha

Por: Redação
Ouça este conteúdo

Uma jovem de 21 anos relata ter sido estuprada após marcar um encontro com uma mulher de 35 anos por um aplicativo de paquera. O caso aconteceu em Santos, no litoral de SP, no dia 26 de agosto.

Em depoimento à polícia, a estudante contou que conheceu a garota pelo Tinder e após uma semana de conversas, decidiu combinar um encontro na casa da mulher que, teoricamente, estaria sozinha.

Estupro
Crédito: IStock Jovem é estuprada após marcar encontro por app no litoral de SP

Segundo a jovem, o homem apareceu ‘do nada’ na sala, enquanto as duas bebiam, e afirmou que queria ver ‘as duas fazendo sexo’. Diante da negativa, ela tentou beijá-la, tirou as roupas dela à força, a mordeu e, em seguida, consumou o estupro na frente da suposta namorada, que ajudou a imobilizá-la.

A jovem ficou com hematomas por todo o corpo. “Ela tem marcas de mordidas nos seios, na região das coxas, na região lombar. A mão dela está inchada, o que configura lesão de defesa”, disse o advogado da vítima, Adriano Neves Lopes, ao UOL.

Nesta quinta-feira, 3, ele entregou à Delegacia de Defesa da Mulher de Santos, cópias das conversas que sua cliente manteve antes do ataque com a mulher.

Nas mensagens, a estudante questiona a todo momento se as duas ficariam sozinhas no apartamento e a suspeita afirma que sim. Esse seria o primeiro encontro marcado pela vítima por meio do aplicativo.

Crédito: Reprodução Perfil da mulher suspeita de enganar jovem que foi estuprada em Santos (SP)

O delegado também entregou à polícia roupas que a vítima usava durante o encontro que resultou no abuso sexual. “Ela fala que, possivelmente, a blusa e o sutiã têm o sêmen dele e pode provar que houve o crime”, disse ao G1.

Segundo o advogado, uma outra jovem depôs na delegacia, alegando que também foi enganada pelo casal, mas não chegou a ser abusada sexualmente.

O que fazer em caso de estupro?

  • Cuide da sua saúde em primeiro lugar. Antes de se preocupar com as medidas legais é importante receber atendimento médico, se necessário. Existem centros especializados em saúde da mulher que costumam estar melhor preparados para os casos de violência sexual.
  • Chame a polícia ou vá até uma delegacia.
  • Será feito um boletim de ocorrência e você será encaminhada, em seguida, a um hospital para realizar exames e receber medicamentos para prevenir doenças sexualmente transmissíveis (como o HIV), além de receber a pílula do dia seguinte para evitar gravidez, caso já não tenha passado por atendimento médico.
  • O boletim de ocorrência logo após o crime é importante para que seja feito o exame de corpo de delito (realizado por um médico no Instituto Médico Legal — IML). Por essa mesma razão, não é recomendável que a vítima tome banho após o ocorrido, pois isso pode impedir a coleta de algumas provas importantes para a investigação e posteriormente para o processo criminal (ex: identificação da presença de sêmen o que pode auxiliar até na identificação do autor). Além disso, é importante guardar as roupas usadas no momento do crime para coleta de provas. O DNA do autor pode ser coletado destas peças de roupa, por exemplo.
  • Nos casos em que houve o uso de drogas como o “Boa Noite Cinderela” é importante que a vítima faça o Exame Toxicológico (através de exame de sangue e urina) em no máximo 5 dias após a ingestão. O ideal é fazê-lo o quanto antes possível.
  • Nunca se deve culpar a vítima pelo crime cometido contra ela. A culpa jamais será da vítima e pressão de amigos e familiares indagando sobre a roupa, comportamento, postura, circunstâncias corroboram para os altos índices de suicídio entre vítimas de estupro.

Compartilhe: