Justiça condena Haddad por caixa dois na eleição municipal

O ex-prefeito pode recorrer da decisão

Por: Redação
Fernando Haddad
Crédito: Rovena Rosa/Agência Brasil A pena estabelecida para Haddad é de 4 anos e 6 meses em regime semiaberto

A Justiça Eleitoral condenou o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), por suposto caixa dois de R$ 2,6 milhões à UTC Engenharia durante a campanha eleitoral de 2012, quando foi eleito. A pena por falsidade ideológica eleitoral é de 4 anos e 6 meses em regime semiaberto. Cabe recurso.

Na acusação, o promotor eleitoral Luiz Henrique Dal Poz declarou que o ex-prefeito “deixou de contabilizar valores, bem como se utilizou de notas inidôneas para justificar despesas”.

O valor total teria sido repassado pela empreiteira diretamente às gráficas de Francisco Carlos de Souza, ex-deputado estadual e líder sindical, conhecido no PT como “Chico Gordo”. Ele confessou que recebeu os pagamentos, porém, explicou que não eram destinados à campanha de Haddad, e sim a outros candidatos petistas.

Segundo a denúncia, R$ 3 milhões teriam sido negociados com o empresário Ricardo Pessoa, da UTC Engenharia, e depois ajustados para R$ 2,6 milhões.

Em nota enviada à Folha de S.Paulo, a defesa de Haddad afirmou que vai recorrer da decisão da primeira Vara Eleitoral. “Em primeiro lugar por falta de provas. A condenação apoiou-se apenas na delação premiada de Ricardo Pessoa, executivo prejudicado pelo então prefeito, que cancelou seus contratos com a Prefeitura de São Paulo”, diz o texto.

“Este delator relatou ‘ter ouvido dizer’ que os valores que pagou a pedido do tesoureiro nacional do PT seriam para a gráfica que teria produzido materiais para a campanha de Fernando Haddad. Testemunhas e documentos apresentados ao juiz demonstraram que o delator mentiu”, informou a defesa.

1
A queda: entenda a polêmica que custou o cargo de Roberto Alvim
Após praticamente reproduzir um discurso do ministro nazista Joseph Goebbels, o ex-secretário de Cultura, Roberto Alvim, protagonizou uma polêmica que …
2
Impunidade de Victor não é caso isolado no Brasil de Bolsonaro
Victor Chavez, cantor sertanejo da extinta dupla Victor e Léo, foi condenado por agredir a esposa grávida de quatro meses …
3
Anarquia da ponte pra lá: a história do punk na periferia de SP
Autor do livro My Way, Valo Velho é história viva da cena anarcopunk de São Paulo. A Catraca Livre foi até …
4
Backer: entenda o caso das cervejas contaminadas
O Ministério da Agricultura suspendeu a venda de cervejas da marcar Backer e determinou que a empresa faça um recall …
5
O que é liberdade de expressão?
O que é liberdade de expressão? Entenda o significado e a importância desse direito tão importante para todos nós neste …
6
Entenda o acordo nuclear que envolve EUA x Irã
Errata: ao contrário do que aparece no vídeo, o nome do especialista entrevistado é Lucas Leite e não Felipe. O …
7
Depois de ataque e perseguição, Porta dos Fundos é alvo de censura
A Justiça do Rio de Janeiro resolveu mandar retirar do ar “A Primeira Tentação de Cristo”, um Especial de Natal …
8
“Imprecionante”: ministro Weintraub comete novo erro de português
O ministro da Educação, Abraham Weintraub, escorregou de novo na língua portuguesa e a internet não deixou passar. Ao agradecer um …