Mãe relata episódio de racismo sofrido pelo filho em lanchonete no RJ

E se a criança fosse loira e de olhos azuis ?

Por: Redação

No último dia 24 de março, o jornal norte-americano The New York Times publicou uma matéria em que que dizia “Brasileiros continuam a viver em negação sobre peso do racismo na sociedade”, discutindo a questão do racismo ainda presente no cotidiano da sociedade brasileira.

Algumas semanas depois, mais um caso envolvendo preconceito volta a ganhar repercussão nas redes sociais com o relato de uma mãe indignada testemunha do racismo sofrido pelo seu filho:.

Com informações do site Pragmatismo Político

“Sou nascida e criada no bairro de Ipanema e me casei com um homem negro e temos dois filhos, uma menina de 17 anos e um menino de 12 anos.

Tenho muito orgulho dos meus lindos filhos, mas infelizmente já passei por situações constrangedoras, principalmente quando saio sozinha com o menino, porque as pessoas não me reconhecem como a mãe dele de imediato. Estou cansada de ser constrangida junto com o meu filho.

Neste sábado, dia 11 de abril de 2015, fomos lanchar no Burguer King de Ipanema situado na Rua Visconde de Pirajá. Paguei o lanche e, enquanto aguardávamos o recebimento do mesmo, pedi ao meu filho que fosse à máquina de refrigerantes pegar o seu. O segurança do estabelecimento, que também aguardava por um lanche, quando o viu na máquina de refrigerantes gritou: “Ei, ei, psiu, está fazendo o que?”. Neste momento, meu filho se dirigiu a mim, então ele perguntou se o menino estava comigo.

Reprodução
Brasil tem a segunda maior população de negros fora da África

Fiquei muito indignada e perguntei se a abordagem seria a mesma caso se tratasse de um menino loiro de olhos azuis. Ele, sinceramente, respondeu que não e tentou se justificar dizendo que, às vezes, entravam uns moleques e ficavam mexendo na máquina e que eu o desculpasse pelo engano. Em suma, ele achou que meu filho, por ser negro, era um menino de rua sem ao menos observar antes de abordar.

A gerente que observava o incidente veio me perguntar o que estava acontecendo, e, quando relatei o ocorrido, me pediu milhões de desculpas.

Como fico muito chateada nestas situações, não penso direito, mas já me informei que deveria ter chamado a polícia e registrado um Boletim de Ocorrência por crime de racismo.

Após sairmos de lá fomos ao supermercado e meu filho não desgrudou de mim. A atitude aparentemente inocente daquele segurança criou medo e constrangimento em uma criança só por ela ser negra e viver em Ipanema.

As pessoas deveriam repensar seus conceitos e observar mais antes de agir, ao invés de julgar apenas pela aparência”.

Esclarecimento

Em nota, o Burger King esclarece que de maneira alguma compactua com qualquer prática discriminatória. A marca informa ainda que já entrou em contato com a Sra. Georgia Kitsos e está apurando o ocorrido. Independentemente do resultado da apuração o, a empresa pede desculpas à família e a toda e qualquer pessoa que tenha se sentido afetada.

Compartilhe: