Publicidade

Informar

Maratona de desenvolvimento promove combate à corrupção em SP

...
Publicidade

Durante mais de 24 horas, cidadãos, poder público e iniciativa privada vão trabalhar juntos para criar plataformas tecnológicas de combate à corrupção.

Este é o desafio do Hack in Sampa – Segunda Temporada, maratona de desenvolvimento de sistemas para controlar os gastos públicos da cidade de São Paulo, apontar e enfrentar desvios. As inscrições, que podem ser feitas no site, acabam nesta quarta-feira, 13.

No fim de semana de 16 e 17 de junho, a ideia é extrair da tecnologia e das informações disponíveis nos portais de transparência da Prefeitura e da Câmara Municipal ferramentas online úteis, que possam fazer a diferença.

Além de contribuir na luta contra um dos principais problemas do país, a maratona oferece R$ 22 mil em prêmios.

Proposta é reunir cidadãos, poder legislativo, poder executivo e iniciativa privada nesse esforço comum

Soluções inovadoras para São Paulo 

No melhor estilo “Campus Party”, o Hack in Sampa vai reunir dezenas de desenvolvedores no plenário da Câmara Municipal de São Paulo. Mentores especialistas na área vão orientar os trabalhos de diversas equipes para desenvolver aplicativos, sites ou outras soluções que o esforço coletivo produza no combate à corrupção.

Realizado pela primeira vez em junho de 2017 com grande repercussão, o Hack in Sampa já foi reproduzido em Santos e Campinas, com foco em cada cidade.

A Política Municipal de Prevenção da Corrupção, projeto de lei de autoria de Police Neto aprovado em primeira votação pela Câmara Municipal, serviu de referência para os trabalhos. São Paulo foi a primeira cidade do país a votar lei semelhante, no ano passado.

Uma realização da Cidade Viva, incubadora de projetos sociais criada pelo vereador Police Neto, da Shawee e do Eureka Coworking, o Hack in Sampa Segunda Temporada tem patrocínio da Fecomercio (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo) e IBRACON (Instituto dos Auditores Independentes do Brasil), e apoio da Câmara Municipal de São Paulo e do gabinete de Police Neto.

O primeiro colocado receberá R$ 10 mil, mais R$ 1 mil durante 6 meses, para ajudar na incubação do projeto, que será feita no Eureka Coworking.  O segundo colocado ganha R$ 5 mil e o terceiro, R$ 1 mil. Os prêmios serão pagos pelos patrocinadores.

Compartilhe:

Publicidade
Publicidade

Você sabe o que é feminicídio?

O restaurante de comida havaiana do ex-masterchef Ravi

Conheça o lavandário de Cunha

ASMR: O fenômeno do "orgasmo mental"

Publicidade