CORONAVÍRUS
Loading...
Últimas notícias e tudo que você precisa saberAtualizando informações
Infectados-
Mortes-
Recuperados-

Menina de 9 anos é estuprada dentro do banheiro da escola

Mãe da vítima disse que a menina já havia sido abusada quando tinha 6 anos

Por: Redação

Uma menina de 9 anos de idade foi vítima de estupro dentro do banheiro de uma escola localizada na BR-364, em Porto Velho, Rondônia (RO), na última sexta-feira, 4.

hospital para onde vítima de estupro foi levada
Crédito: ReproduçãoCriança já havia sido abusada sexualmente com 6 anos de idade

O crime foi descoberto após a mãe da vítima notar indícios de abuso sexual. Não há informações se o suspeito foi encontrado ou identificado.

De acordo com o G1, uma equipe da PM foi chamada até o Hospital Cosme e Damião, unidade onde a menina estava sendo atendida, para que a mãe contasse o ocorrido.

Segundo relato, ela estava no trabalho e, ao chegar em casa às 19h, notou que havia uma secreção na região íntima da menina. Ainda em depoimento à PM, a mãe disse que a filha havia sido vítima do mesmo crime aos 6 anos de idade.

A vítima não quis contar o que havia acontecido, mas após insistência da mãe, ela explicou que foi abordada por um homem, levada por ele ao banheiro da instituição de ensino, onde ocorreu o ato.

Perguntada sobre quem era essa pessoa, a menina apenas detalhou as características do suspeito e acrescentou que ele trocou de camisa após o abuso.

A criança não soube dizer para onde o suspeito foi, nem mesmo se era funcionário da instituição de ensino.

Ainda segundo a publicação, a direção da escola informou não ter sido procurada pela mãe da criança sobre o caso e que vai à polícia em busca de mais informações.

Porto Velho teve a maior taxa de estupro entre as capitais brasileiras durante 2018, segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

  • Diariamente, crianças e adolescentes são expostos à violência sexual. Até abril de 2019, o Disque 100 recebeu mais de 4 mil denúncias de abuso infantil em todo o Brasil, mas sabemos que esses dados não estão nem perto da realidade, uma vez que ainda é difícil ter estatísticas que realmente abranjam o problema de forma real. Saiba como ajudar:
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.