Menina é estuprada no hospital ao fazer isolamento para covid-19

A polícia investiga o caso que aconteceu em Pretória, capital da África do Sul

Por: Redação

A mãe de uma menina de 2 anos afirmou que a filha foi estuprada no Hospital Dr. George Mukhari, enquanto fazia isolamento por causa da covid-19, em Pretória, capital da África do Sul. A polícia local investiga o caso.

menina estuprada hospital
Crédito: Istock-tzahiVMenina é estuprada no hospital ao fazer isolamento para covid-19

O porta-voz da polícia Mathapelo Peters disse ao jornal local, News24, que a denúncia foi feita pelos pais da vítima.

A tia da menina disse, em entrevista à Agência de Notícias Africana, que a criança e a mãe foram encaminhadas ao hospital em 15 de junho. Como a filha tinha dificuldades para respirar, ela deveria testar para covid-19 e por isso ficar isolada da mãe que foi orientada a ir para casa.

A menina ficou um dia no hospital. Ela teve alta no dia seguinte após os médicos dizerem que seu teste deu negativo para o coronavírus.

Porém, de acordo com a tia, ao voltar para casa, a criança passou a apresentar um comportamento muito estranho. “Ela estava com dificuldade para andar e sempre chorava. Vi que tinha algo errado com a minha menina. Enquanto a mãe trocava a fralda, descobriu um líquido branco em suas partes íntimas. Ela inicialmente pensou que era medicação, pois a criança estava no hospital. Mas, no dia seguinte, esse mesmo líquido ainda estava saindo”, disse a tia.

Com o passar dos dias, a menina se recusava a brincar e sempre chorava. Ao observar as partes intimas da menina, a mãe percebeu que a situação não era normal e decidiu levá-la ao médico. Na clínica KT Motubatse, a enfermeira disse que havia indicação de que a vítima teria sido molestada.

A polícia de Gauteng, em Pretória, confirmou que está investigando o caso. O hospital também relatou que está fazendo sua própria investigação sobre o ocorrido e alegou que está a todo momento em contato com a família da vítima.

Casos de abuso e estupro de crianças não é uma realidade apenas na África do Sul, casos semelhantes acontecem corriqueiramente no Brasil, infelizmente. Por isso, listamos aqui abaixo formas de você denunciar esses crimes.

Como denunciar casos de abuso infantil

Há algumas formas de denunciar casos de violência sexual a menores de idade:

Disque 100

Como nos casos de racismohomofobia e outras violações de direitos humanos, qualquer cidadão pode fazer uma denúncia anônima sobre casos abuso infantil pelo Disque 100. A denúncia será analisada e encaminhada aos órgãos de proteção, defesa e responsabilização em direitos humanos, respeitando as competências de cada órgão.

Aplicativo Proteja Brasil

Depois de instalar o aplicativo gratuito em seu celular, o usuário rapidinho, respondendo um formulário simples, registra a denúncia, a qual será recebida pela mesma central de atendimento do Disque 100. Se quiser acompanhar a denúncia, basta ligar para o Disque 100 e fornecer dados da denúncia.

Ouvidoria Online

O usuário preenche o formulário disponível aqui e registra a denúncia, a qual também será recebida pela mesma central de atendimento do Disque 100. Se quiser acompanhar a denúncia, basta ligar para o Disque 100 e fornecer dados da denúncia.

ONGs

Se for possível, procure Organizações que atuam para o combate ao problema, como o ChildFund Brasil e a Childhood Brasil.

Safernet

A Safernet é uma organização social que recebe denúncias de crimes que acontecem contra os direitos humanos na internet, incluindo pornografia infantil e tráfico de pessoas.

Conselho Tutelar

O Conselho Tutelar é responsável pelo atendimento de crianças e adolescentes ameaçados ou violados em seus direitos. Pode aplicar medidas com força de lei. A denúncia pode ser feita por telefone ou pessoalmente, na sede do conselho. Encontre o telefone do Conselho Tutelar mais próximo digitando “Conselho Tutelar + o nome do seu município” no Google.

CREAS / CRAS

Os Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) realizam o atendimento em atenção básica à população em geral, e os Centros de Referência Especializados de Assistência Social (CREAS) oferecem o atendimento de média complexidade, que inclui o atendimento psicossocial a crianças e adolescentes vítimas de violência sexual. Acesse o site do Ministério da Cidanania, localize as unidades por Estado ou município.

Ministério Público

Responsável pela fiscalização do cumprimento da lei. Os promotores de justiça têm sido fortes aliados do movimento social de defesa dos direitos da criança e do adolescente. Todo Estado conta com um Centro de Apoio Operacional (CAO), que pode e deve ser acessado na defesa e garantia dos direitos das crianças e dos adolescentes. No site da Childhood Brasil você encontra o contato do MP de todos os estados brasileiros.

Para obter mais informações sobre abuso infantil, como identificar e como agir, clique aqui.