Mercado obriga casal negro a esvaziar bolsa para revista e encontra Bíblia

PM ainda tentou minimizar a situação. “Não é nada fora do normal. Você está dentro de um estabelecimento comercial”,

Por: Redação
Ouça este conteúdo

Um casal de negros que fazia compras em uma unidade do supermercado Extra, no bairro do Campo Belo, zona sul de São Paulo, foi obrigado pela caixa a esvaziar a bolsa para ser revistada. O único objeto encontrado foi uma Bíblia.

O caso está sendo investigado pela Decradi (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância).

racismo
Crédito: TV Globo/ReproduçãoFuncionária do supermercado Extra obrigou casal negro a mostrar a bolsa para revista na hora do pagamento

“A moça me deu o valor, peguei meu cartão para pagar e ela disse: ‘Preciso ver tua bolsa’. Eu falei: ‘Sério?’”, relatou Edgar Oliveira de Carvalho, que estava com a esposa ao lado. “Eu perguntei para ela: ‘Você tem alguma dúvida se coloquei algo dentro?’. Fiquei sem ação. Me faltou o chão”, contou Letícia Reis Oliveira de Carvalho ao G1.

A mulher ainda afirmou que só abriria a bolsa com a presença da polícia. Quando a polícia chegou ao local, Edgar virou a bolsa no carrinho e, dentro, havia uma carteira, uma bolsa de remédios e uma Bíblia.

Um vídeo gravado pelo casal mostra a polícia tentando minimizar a situação. “Não é nada fora do normal. Você está dentro de um estabelecimento comercial”, justificou o PM.

No entanto, para o casal, não tinha nada de normal ali. “Eu perguntei para o gerente com quantas pessoas eles fizeram aquilo naquele dia”, disse Letícia.

Extra diz que condena condutas discriminatórias

Em nota, a rede de supermercado Extra, do Grupo Pão de Açúcar, afirmou que condena condutas discriminatórias. A empresa disse ainda que acionou a loja e deu início a um processo interno de investigação.

A rede informou que possui um calendário de treinamentos, atualizações de procedimentos e formações para todos os funcionários e prestadores de serviço, que incluem o combate ao preconceito.

Racismo é crime. Denuncie!

Cenas como essa que acabamos de ver ainda é muito comum no Brasil, infelizmente. Uma forma de conter o avanço do racismo no Brasil é sempre denunciar o agressor. Afinal, racismo é crime previsto pela Lei 7.716/89.

A denúncia pode ser feita tanto pela internet, quanto em delegacias comuns e nas que prestam serviços direcionados a crimes raciais, como as Delegacias de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), que funcionam em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Veja aqui como denunciar casos de racismo.

Compartilhe: