Novo pedido de impeachment contra Bolsonaro é protocolado pelo PSOL

"Bolsonaro tem sido criminoso em sua conduta e sua irresponsabilidade pode trazer sérios riscos à vida das pessoas", disse a deputada Fernanda Melchionna

Novo pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi protocolado pelo PSOL, na noite desta quarta-feira, 18.

Crédito: Agência Brasil
Novo pedido de impeachment contra Bolsonaro é protocolado pelo PSOL

Deputados, vereadores e prefeitos da legenda, conjuntamente com intelectuais e lideranças políticas, sustentam no pedido que o presidente cometeu crime de responsabilidade ao convocar as manifestações do último domingo, 15, em favor de seu governo, pedindo o fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal (STF), mas principalmente por ter ignorado as recomendações de isolamento da Organização Mundial da Saúde e do próprio Ministério da Saúde de seu governo frente pandemia de coronavírus e colocado em risco a saúde nacional ao participar dos protestos.

De acordo com a líder do PSOL na Câmara, deputada Fernanda Melchionna (RS), enquanto chefe de Estado, Bolsonaro não pode falar nem agir como quer. “Estamos no pior momento da história recente do país com a pandemia do Coronavírus e, evidentemente, um péssimo momento para uma crise política, mas talvez seja o mais necessário”, diz ela.

“Bolsonaro tem sido criminoso em sua conduta e a irresponsabilidade dele pode trazer sérios riscos à vida das pessoas e à saúde nacional, aprofundando a crise em vez de resolvê-la. Frente a isso, nós chegamos a uma medida limite que é o pedido de impeachment. Ele não pode mais seguir governando sob risco de seguirmos inoperantes diante da atual crise econômica e de saúde que o Brasil está vivendo”, disse Melchionna.

O pedido de impeachment protocolado pelo PSOL é o segundo. O primeiro foi feito nesta terça-feira, 17, pelo deputado Leandro Grass (Rede-DF).

Veja a íntegra do pedido de impeachment protocolado pelo PSOL, aqui.

Veja também: Bolsonaro vai permitir que empresas cortem 50% do salário de trabalhadores

Veja também: População se une contra Bolsonaro e panelaços ecoam pelo país