PM agride repórter do Uol durante manifestação em São Paulo

Repórter gravava abordagem de supostos neonazistas quando foi agredido por policial não identificado

Por: Redação

No início da tarde deste domingo, 14, um policial militar sem identificação empurrou o repórter Luís Adorno, do Uol, sem qualquer razão para isso. A agressão ocorreu quando o profissional gravava a abordagem de três supostos neonazistas na avenida Paulista, local dos atos contra o presidente Jair Bolsonaro.

O celular teve a tela danificada pelo impacto da agressão. Ainda de acordo com testemunhas, o oficial atacou o repórter para interromper a filmagem. Ao ser questionado por Adorno, o PM insistiu na postura intimidatória e em seguida ofendeu o repórter.  “Vem cá, vamos trocar uma ideia, o que você falou aí? O que você falou aí?”.

Repórter do Uol
Crédito: Rovena Rosa/Agência BrasilSão Paulo – Manifestação contra o governo na avenida Paulista (Rovena Rosa/Agência Brasil)

No momento da agressão, três jovens identificados com símbolos nazistas foram denunciados por outros manifestantes a uma viatura da PM. Neste momento, Adorno passou a gravar o incidente e, em seguida, foi agredido pelo outro policial.

Ao Uol, um dos manifestantes presentes disse que a agressão ao repórter foi premeditada. “Você pegou o celular para filmar o que estava acontecendo e chegou o policial e te esbarrou de propósito, isso aí todo mundo viu, de propósito, pra você não filmar o que tava acontecendo”.

A comissão de Direitos Humanos da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) lamentou a ação. O caso deve ser levado à Corregedoria após sugestão do capitão da PM Rogério da Silva.