Últimas notícias:

Loading...

Polícia investiga se sogro furtou carro e TVs de nora durante enterro dela

A palmeirense Érica Fernandes Ceschini foi vítima de feminicídio após festejar título da Libertadores

Por: Redação
Ouça este conteúdo

A Polícia Civil de São Paulo investiga o furto de bens da representante comercial Érica Fernandes Alves Ceschini, assassinada pelo marido no dia 31 de janeiro na zona oeste da capital.

Érica era torcedora do Palmeiras e foi morta a facadas pelo próprio marido, Leonardo Ceschini, que é corintiano, após a final da Copa Libertadores no último dia 31 de janeiro. As informações são do portal G1.

Feminicídio
Crédito: Reprodução/InstagramA palmeirense Érica Fernandes Ceschini foi vítima de feminicídio após festejar título da Libertadores

Leonardo teria ficado irritado ao ver a mulher comemorando o título conquistado pelo Palmeiras.

Alexandre Estevam Ceschini é acusado de roubar o carro de Érica, duas televisões, um micro-ondas, joias e eletroeletrônicos. O furto teria ocorrido durante o velório da nora, no dia 1º de fevereiro.

De acordo com o Boletim de Ocorrência registrado por familiares de Érica no 33º DP em Pirituba, o Alexandre e outras pessoas levaram os bens de dentro do apartamento no qual o casal morava com os dois filhos gêmeos, de dois anos, na Vila Mangalot. Até o celular da vítima e os documentos das crianças foram levados pela suposta advogada da família do marido. Os filhos estão com os avós maternos provisoriamente.

Em depoimento à polícia, Leonardo Ceschini confessou o feminicídio e revelou ter esfaqueado a mulher após tomar o objeto de sua mão durante a briga. Leonardo foi preso em flagrante pela Polícia Civil.

Feminicídio

O feminicídio é o homicídio praticado contra a mulher em decorrência do fato de ela ser mulher ou em decorrência de violência doméstica.

Quando o assassinato de uma mulher é decorrente, por exemplo, de latrocínio (roubo seguido de morte) ou de uma briga entre desconhecidos ou é praticado por outra mulher, não há a configuração de feminicídio.

Para ser considerado feminicídio, o crime tem que se encaixar em dois tipos de casos:

  • Violência doméstica ou familiar

Quando o crime resulta ou é praticado juntamente à violência doméstica, o homicida é um familiar da vítima ou já manteve algum tipo de laço afetivo com ela.

Esse tipo de feminicídio é o mais comum no Brasil, ao contrário de outros países da América Latina, em que a violência contra a mulher é praticada por desconhecidos, geralmente com a presença de violência sexual.

homem agredindo uma mulher na presença da filha
Crédito: IStock/@PeopleimagesA violência contra a mulher, muitas vezes, acontece na própria casa da vítima e é praticada por um familiar

Além dos altos índices de homicídio de mulheres, existem ainda muitos casos de estupro e lesão corporal gerada por violência doméstica.

  • Menosprezo ou discriminação contra a condição da mulher.

Quando o crime resulta da discriminação de gênero, manifestada pela misoginia e pela objetificação da mulher, geralmente com a presença de violência sexual.

Lei do Feminicídio

A lei 13.104/15, mais conhecida como Lei do Feminicídio, alterou o Código Penal brasileiro, incluindo como qualificador do crime de homicídio o feminicídio.

Também houve alteração na lei que abriga os crimes hediondos (lei nº 8.072/90). Essa mudança resultou na necessidade de se formar um Tribunal do Júri, ou o conhecido júri popular, para julgar os réus de feminicídio.

Alguns setores da sociedade questionam o objetivo de haver distinção entre o feminicídio e os homicídios comuns, mas vale ressaltar que o objetivo dessa diferenciação possui como foco o fato de que vivemos numa sociedade machista.

mulher agredida com o olho roxo atrás de uma foto sua rasgada sorrindo
Crédito: IStock/@photodetiA Lei do Feminicídio se faz necessária pois, ainda hoje, mulheres são muitas vezes submetidas a relacionamentos abusivos, à violência doméstica e a tratamentos degradantes e desumanos, pelo fato de serem mulheres

Ainda hoje, mulheres são muitas vezes submetidas a relacionamentos abusivos, à violência doméstica e a tratamentos degradantes e desumanos, pelo fato de serem mulheres.

Por isso, a violência e os homicídios decorrentes dessas características são corriqueiros.

Compartilhe: