CORONAVÍRUS
Tudo o que você precisa saberÚltimas notícias e tudo que você precisa saber

Por que falar (ainda mais) sobre igualdade de gênero nas escolas?

Por: Renata Penzani

“Mas e quando Ana se vê como menino e quer se chamar Diogo? Ou quando Ana gosta de mulheres e se apaixona por Carol? Afirmar que o normal é ser isso ou aquilo violenta e oprime quem não se encaixa nessas normas. Precisamos mudar isso! Há muitas formas de sentir, existir, amar e ser no mundo”

As temáticas relacionadas à identidade de gênero e a importância de discussão sobre o assunto na escola e no ambiente familiar são bastante recorrentes aqui no Catraquinha (clique aqui para ler as matérias que já foram publicadas). E sempre que aparece um novo estudo sobre, é uma nova oportunidade de refletir ainda mais sobre a urgência de levar essa conversa com as crianças, além de defender o papel da escola como promotora de mudanças sociais desde a primeira infância.

Além da ONU Mulheres, que no início deste ano lançou o “Currículo de Gênero”, material que oferece uma grade de aulas para discutir estereótipos, machismo, desigualdade, sexualidade e poder e outras diversas questões ligadas à temática em sala de aula, muitos movimentos, projetos sociais e atores do âmbito da educação e infância também prepararam materiais de subsídio ao combate do preconceito de gênero nas escolas.

Um deles, gratuito e acessível a quem se interessar pelo assunto, é a cartilha “Por que falar sobre gênero na escola?”, que a Ação Educativa lançou  por meio do projeto “Jovens agentes pela igualdade de gênero nas escolas” (JADIG). O material está disponível online – clique aqui para acessar – e pais, mães e educadores podem acessar quando quiserem.

O material oferece um histórico da violência de gênero no ambiente escolar, e apresenta alternativas de empoderamento para crianças se protegerem contra o preconceito. Entre os tópicos que o documento traz, estão “Buscando respostas para quem somos”, “6 curiosidades sobre a lei Maria da Penha”, “A mídia não é o espelho da realidade”.

As relações de gênero também “ensinam” desigualdades. Já se perguntou por que muita gente quando quer ofender um menino o chama de “mulherzinha”?

Com didatismo e objetividade, a proposta do estudo é discutir desde os pontos mais simples, como a diferença entre opção e identidade, ressaltando a importância de explicar para as crianças desde cedo por que optamos por dizer “orientação sexual” ao invés de “opção”. E a cada informação levantada, há uma alternativa de posicionamento – quem procurar dentro da escola, como se defender, como afirmar identidades.

Entre os dados alarmantes que o material traz, está a sobrecarga da mulher no papel de cuidar da criança, apontando que, no Brasil, há 5,5 milhões crianças estão sem o nome do pai na certidão de nascimento no Brasil¹

Meninos choram, sim!

Outra questão fundamental que se destaca no material é a importância de desestimular comportamentos de estereotipação entre as crianças, evitando tipificações como “meninos não choram” ou “boneca é brinquedo de menina”, que fortalecem não só o machismo, mas criam um ideal de masculino que também aprisiona os meninos em uma falsa ideia de que a força é mais importante que a sensibilidade.

“A masculinidade se opõe ao que é considerado feminino, seja para ficar bem longe dele (“ser bem macho”) seja para dominá-lo (mandar na mulher). Quando meninas brincam de boneca estão aprendendo a cuidar de outro ser. Normalmente, meninos não são estimulados a isso, o que vai ter reflexos em todos os seus relacionamentos, inclusive na maneira de enxergar a paternidade.”

Entender que masculinidade é um conceito socialmente construído é o primeiro passo para desconstruir estereótipos entre meninos e meninas
Entender que masculinidade é um conceito socialmente construído é o primeiro passo para desconstruir estereótipos entre meninos e meninas

O material termina listando endereços e telefones de locais que oferecem respaldo legal para casos de assédios ligados ao preconceito de gênero e violência contra a mulher na periferia de São Paulo, como delegacias especializadas na causa e centros de  discussão e acolhida. Além disso, traz também uma série de livros, filmes, blogs e sites sobre o assunto, para que a informação seja uma arma contra o preconceito.

1
‘Na Fila do SUS’ retrata o sucateamento da saúde pública em plena pandemia
 'Na Fila do SUS' é uma websérie em formato original com seis episódios que estreia disponível exclusivamente, na plataforma online …
2
Governo libera uso da cloroquina para pacientes em estado leve da covid-19; classe médica discorda
Após pressão do presidente Jair Bolsonaro, o Ministério da Saúde cedeu e ampliou o  protocolo para uso da cloroquina e …
3
Felipe Neto no Roda Vida: confira os principais momentos do programa
Convidado do Roda Viva, da TV Cultura, na noite desta segunda-feira, 18, o youtuber Felipe Neto afirmou que faz um …
4
Flávio Bolsonaro rebate acusação feita por Paulo Marinho sobre o caso Queiroz
O senador Flávio Bolsonaro rebateu a acusação feita pelo empresário Paulo Marinho em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo …
5
Entenda os motivos do pedido de demissão do ministro da Saúde, Nelson Teich
Antes mesmo de completar um mês à frente do Ministério da Saúde, o ministro Nelson Teich pediu demissão do cargo …
6
Guia Negro Entrevista: O que é ser um corpo negro no mundo?
Neste décimo e último episódio da terceira temporada do Guia Negro Entrevista, o programa revisita seu passado para apresentar um …
7
Vídeo da reunião de Bolsonaro com Moro pode incriminar o presidente? Entenda
E não é que a exibição do vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril citado pelo ex-ministro Sergio …
8
3 países que mostraram que é possível conter o coronavírus
Nova Zelândia, Alemanha e Taiwan. O que esses três locais têm em comum? Eles mostraram para o mundo que ações rápidas …