Porte de armas: enquanto Brasil libera, Nova Zelândia restringe

Após tragédias envolvendo armas de fogo, governos de ambos os países decidem tomar caminhos opostos para combater a violência

Por: Redação | Comunicar erro

Uma lamentável coincidência assolou o Brasil e a Nova Zelândia nessa semana: dois ataques tiraram dezenas de vidas em ambos os países. Apesar de terem ocorrido por motivações diferentes, as duas tragédias têm em comum, além do cenário de sangue, ódio e violência, a arma de fogo como instrumento de ataque.

homem com arma de fogo
Crédito: iStock/FlyMint AgencyLiberar ou restringir o porte de armas em um país é fator decisivo para os índices de violência

No mesmo dia em que dois jovens invadiram a escola de Suzano, município do estado de São Paulo, e mataram sete pessoas, entre elas cinco alunos, Jair Bolsonaro (PSL) informou que está preparando um projeto de lei para ser encaminhado ao Congresso com o objetivo de flexibilizar o porte de armas.

No dia seguinte, 14 de março, o senador e filho do presidente Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), apresentou seu primeiro projeto de lei no Senado: autorizar a instalação de fábricas civis de armas de fogo e munições no Brasil.

Enquanto isso, um país do outro lado do mundo acabava de sofrer um ataque terrorista movido pelo ódio à diversidade racial. Duas mesquitas em Christchurch foram invadidas por extremistas carregando armas de fogo, que tiraram a vida de 49 vítimas, além de terem deixado dezenas de feridos.

Jacinda Ardern, primeira-ministra da Nova Zelândia e Jair Bolsonaro, presidente do Brasil
Crédito: divulgaçãoJacinda Ardern, primeira-ministra da Nova Zelândia e Jair Bolsonaro, presidente do Brasil

No dia seguinte, 15 de março, a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, fez um pronunciamento em cadeia nacional informando que vai mudar as leis com o intuito de limitar o acesso às armas de fogo no país, uma vez que, com os criminosos, foram apreendidas cinco armas compradas legalmente. “Agora é a hora de mudar”, disse Ardern.

Os dois governos não se distanciam apenas pela geografia. Há um abismo na forma de enxergar o ser humano e a vida em sociedade. Enquanto um acredita que violência se combate com mais violência, o outro entende que dar acesso a armas de fogo pode incentivar seu uso indiscriminado. Não é preciso dizer qual país é qual, certo?

Atentado na Nova Zelândia: veja também outros crimes que foram transmitidos ao vivo pelas redes sociais

Compartilhe:

1 / 8
1
03:02
Empresas usaram disparos no WhatsApp durante eleição de Bolsonaro
Uma reportagem publicada pela Folha de S. Paulo mostra que empresas brasileiras contrataram uma agência de marketing na Espanha para …
2
01:49
Senado diz não e derruba o decreto de armas de Bolsonaro
O Senado votou na terça-feira, 18, o parecer que pede pela suspensão dos decretos que flexibilizam o porte e a …
3
03:54
Bancada do PSL passa vergonha ao convocar e desconvocar Glen Greenwald
O deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) apresentou na quarta-feira, dia 12, um requerimento na Comissão de Segurança Pública da Câmara …
4
03:48
O melhor jornal do mundo faz a pior reportagem para Bolsonaro
Essa é a pior reportagem já publicada num jornal estrangeiro contra Jair Bolsonaro. Por dois motivos: saiu no mais importante …
5
03:47
A estranha conexão entre o caso Najila Trindade e Sérgio Moro
O jornalista Gilberto Dimenstein publicou em sua coluna no site Catraca Livre um texto em que conecta dois casos de …
6
03:04
Entendas os possíveis impactos do vazamento das mensagens de Moro
O site The Intercept Brasil divulgou trechos de mensagens trocadas entre o então juiz Sérgio Moro, atual ministro da Justiça, …
7
02:00
Tire todas as dúvidas sobre a doação de sangue
O frio chegou para te lembrar sobre a importância de doar sangue. Uma simples doação pode ajudar até quatro pessoas! Durante …
8
02:58
O que revela a foto de Bolsonaro ao lado de Neymar
O presidente Jair Bolsonaro postou uma foto ao lado de Neymar após o amistoso entre Brasil e Qatar, que aconteceu …