Porte de armas: enquanto Brasil libera, Nova Zelândia restringe

Após tragédias envolvendo armas de fogo, governos de ambos os países decidem tomar caminhos opostos para combater a violência

Por: Redação | Comunicar erro

Uma lamentável coincidência assolou o Brasil e a Nova Zelândia nessa semana: dois ataques tiraram dezenas de vidas em ambos os países. Apesar de terem ocorrido por motivações diferentes, as duas tragédias têm em comum, além do cenário de sangue, ódio e violência, a arma de fogo como instrumento de ataque.

homem com arma de fogo
Crédito: iStock/FlyMint AgencyLiberar ou restringir o porte de armas em um país é fator decisivo para os índices de violência

No mesmo dia em que dois jovens invadiram a escola de Suzano, município do estado de São Paulo, e mataram sete pessoas, entre elas cinco alunos, Jair Bolsonaro (PSL) informou que está preparando um projeto de lei para ser encaminhado ao Congresso com o objetivo de flexibilizar o porte de armas.

No dia seguinte, 14 de março, o senador e filho do presidente Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), apresentou seu primeiro projeto de lei no Senado: autorizar a instalação de fábricas civis de armas de fogo e munições no Brasil.

Enquanto isso, um país do outro lado do mundo acabava de sofrer um ataque terrorista movido pelo ódio à diversidade racial. Duas mesquitas em Christchurch foram invadidas por extremistas carregando armas de fogo, que tiraram a vida de 49 vítimas, além de terem deixado dezenas de feridos.

Jacinda Ardern, primeira-ministra da Nova Zelândia e Jair Bolsonaro, presidente do Brasil
Crédito: divulgaçãoJacinda Ardern, primeira-ministra da Nova Zelândia e Jair Bolsonaro, presidente do Brasil

No dia seguinte, 15 de março, a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, fez um pronunciamento em cadeia nacional informando que vai mudar as leis com o intuito de limitar o acesso às armas de fogo no país, uma vez que, com os criminosos, foram apreendidas cinco armas compradas legalmente. “Agora é a hora de mudar”, disse Ardern.

Os dois governos não se distanciam apenas pela geografia. Há um abismo na forma de enxergar o ser humano e a vida em sociedade. Enquanto um acredita que violência se combate com mais violência, o outro entende que dar acesso a armas de fogo pode incentivar seu uso indiscriminado. Não é preciso dizer qual país é qual, certo?

Atentado na Nova Zelândia: veja também outros crimes que foram transmitidos ao vivo pelas redes sociais

Compartilhe:

1 / 8
1
02:53
Suzano e Nova Zelândia: os impactos da exposição excessiva
A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, disse que o nome do atirador que matou 50 pessoas em uma mesquita em …
2
02:28
Posse de armas: Nova Zelândia dá exemplo de civilidade ao mundo
Após chocar o mundo nesta semana com o massacre de 50 pessoas em duas mesquitas de Christchurch, a Nova Zelândia …
3
03:10
Entenda o mistério por trás da boneca Momo
Ainda mais perturbador, o Desafio da Momo está de volta e desta vez a boneca aparece supostamente dentro de vídeos …
4
02:25
Bolsonaro apoia a construção de muro entre EUA e México
Em viagem diplomática a Washington, o presidente Jair Bolsonaro disse apoiar a construção do muro na fronteira entre EUA e México, …
5
01:42
A nova decisão do STF e o futuro da Lava Jato
O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a partir de então os crimes de lavagem de dinheiro e corrupção quando …
6
02:31
Atentado na Nova Zelândia: crimes transmitidos nas redes sociais
Mais um atentado terrorista chocou o mundo nesta sexta-feira, dia 15. Um atirador realizou ataques simuntâneos em duas mesquitas, deixando …
7
01:45
O lugar em que os atiradores de Suzano foram considerados heróis
Uma reportagem publicada nesta terça-feira, 14, pelo portal da Vice indica que os atiradores que invadiram a Escola Estadual Raul …
8
04:17
Últimas notícias sobre a tragédia em Suzano