Projeto em BH ensina mulheres periféricas a reformar suas casas

Criada pela arquiteta Carina Guedes, a iniciativa tem como objetivo promover a melhoria da moradia para famílias de baixa renda em Belo Horizonte

Moradora da ocupação Dandara, na periferia de Belo Horizonte (MG), a cozinheira Ana Paula Sousa, de 36 anos, rebocou toda sua casa, fez a encanação de água, colocou cerâmica no quarto e reformou outro cômodo. Tudo isso sozinha, sem precisar de auxílio de um profissional.

Recém-formada como costureira, a mineira foi uma das participantes do projeto “Arquitetura na Periferia“, que ensina mulheres de baixíssima renda a reformarem suas próprias casas.

A ideia nasceu a partir da pesquisa de mestrado da arquiteta Carina Guedes, de 32 anos, e teve a colaboração de sua orientadora, Silke Kapp, e do grupo de pesquisa coordenado pela professora, o MOM (Morar de Outras Maneiras).

“Entrei para o mestrado com a angústia de exercer uma profissão que não era capaz de atender a uma camada expressiva da população brasileira, justamente aquela que mais autoconstrói, ou seja, produz suas próprias moradias”, afirma Carina.

A primeira edição do “Arquitetura na Periferia” ocorreu entre setembro de 2013 e junho de 2014. Durante 10 meses, Carina deu assistência técnica semanal a três mulheres da ocupação Dandara.

O projeto teve como objetivos imediatos promover a melhoria da moradia para famílias de baixíssima renda e desenvolver a capacidade de planejamento do grupo.

Para a participante Ana Paula, os encontros transformaram não só a sua casa, mas também a sua visão de mundo. “Hoje olho as coisas e as pessoas de outra forma. Por exemplo, olho para as pessoas sabendo que qualquer uma de nós é capaz de fazer qualquer coisa que quisemos”, relata.

Na iniciativa, as mulheres aprenderam a medir e desenhar suas casas; levantar, analisar e priorizar suas demandas; propor, representar e discutir soluções espaciais; planejar sua execução e financiá-la coletivamente; realizar compras de materiais a bom preço e com economia de escala; e executar parte das obras.

“Esse processo nos leva ao nosso objetivo principal que é estimular a autoconfiança e autoestima das participantes, o que acaba por estimular a melhoria de suas condições de vida e também de suas famílias”, ressalta a arquiteta.

Financiamento

O primeiro grupo foi mantido por Carina com parte de sua bolsa da CAPES para o microfinanciamento das obras, além do dinheiro economizado pelas próprias mulheres.

Com o resultado positivo da iniciativa, a arquiteta passou a integrar a associação “Arquitetos Sem Fronteiras” e conseguiu apoio da ONG internacional “Brazil Foundation”.

Agora, a idealizadora busca apoiadores financeiros e ferramentas para tornar o projeto algo sustentável, como um negócio social, e expandir a atuação para a criação de novas edições.

“O nosso trabalho busca levar a estas mulheres algo do que lhes é negado. Tenho a consciência que é apenas uma minúscula intervenção neste espaço tão desigual e injusto em que vivemos, mas o vejo como uma faísca, que pode ou não gerar um incêndio de transformações”, finaliza.

Assista ao vídeo e saiba mais:

1 / 8
1
03:46
‘Pretendo beneficiar um filho meu, sim’ diz Bolsonaro sobre embaixada
Em uma transmissão ao vivo pelas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a nomeação de seu filho, …
2
03:15
Num ato de coragem, MBL pede desculpas publicamente
O jornalista Gilberto Dimenstein e a Catraca Livre já foram diversas vezes vítimas das milícias digitais do MBL com as …
3
03:04
O real motivo do ataque de Bolsonaro ao filme de Bruna Surfistinha
Jair Bolsonaro decidiu atacar o filme realizado por Deborah Secco sobre a ex-prostituta Bruna Surfistinha. Motivo oficial: o filme, usando …
4
02:13
Entenda os desdobramentos do caso Tabata Amaral no PDT
O PDT suspendeu a deputada federal Tabata Amaral e outros sete parlamentares que votaram a favor da reforma da Previdência, …
5
02:03
Incêndio em estúdio de animação em Japão deixa dezenas de mortos
Dezenas de pessoas morreram durante um incêndio criminoso que tomou conta do estúdio de animação da Kyoto Animation, na cidade …
6
02:19
Barragem abandonada corre risco de rompimento no interior de SP
Uma matéria publicada pelo G1 alerta para o risco de rompimento da barragem de água em Iaras, no interior de …
7
02:30
O que significa a gargalhada de Caetano Veloso?
Um vídeo do cantor Caetano Veloso gargalhando está viralizando nas redes sociais. O motivo da piada é a entrevista que …
8
01:51
Site ‘Não me Perturbe’ permite bloquear ligações de telemarketing
A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) lançou o Não me Perturbe, site que permite bloquear ligações de telemarketing. O sistema …