Rebelião deixa ao menos 52 mortos em presídio no Pará

O ocorrido teve início, supostamente, por causa de uma briga entre facções criminosas rivais

Por: Redação
rebelião em presídio no Pará
Crédito: ReproduçãoA rebelião teve início na manhã desta segunda-feira, 29

Uma rebelião no Centro de Recuperação Regional de Altamira, no sudoeste do Pará, deixou ao menos 52 detentos mortos, entre eles 16 decapitados, na manhã desta segunda-feira, 29, de acordo com informações da Susipe (Superintendência do Sistema Penitenciário do estado). O ocorrido teve início, supostamente, por causa de uma briga entre facções criminosas rivais.

Dois agentes penitenciários foram mantidos reféns e liberados no final da manhã após negociação envolvendo policiais civis e miliares e promotores de Justiça. Vídeos feitos por detentos antes do fim da rebelião, obtidos pelo UOL, mostram cabeças de detentos sendo jogadas no chão em uma das alas do presídio.

“Tratou-se de uma guerra de facções. Em Altamira, há uma facção local chamada Comando Classe A (CCA) e que divide o presidio com integrantes do Comando Vermelho, e que foram esses vítimas desse ato praticado pelos integrantes da organização criminosa CCA”, disse o secretário extraordinário para assuntos penitenciários, Jarbas Vasconcelos.

Ainda segundo o secretário, o presídio estava com 311 presos, 11 a mais do que sua capacidade. A organização CCA recentemente tornou-se aliada ao PCC (Primeiro Comando da Capital), que disputa com o Comando Vermelho a liderança dos presídios brasileiros.

Em 2018, sete presos foram mortos e três ficaram feridos na mesma unidade durante um motim ocorrido na madrugada depois de uma tentativa de fuga que não deu certo.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, declarou que está acompanhando a situação do centro e que conversará com o governo do estado para debater as possíveis providências.

Compartilhe: