Últimas notícias:

Loading...

Saiba as mudanças que a transferência da Família Real trouxe ao Brasil

Por: Redação

Para comemorar o bicentenário da chegada da corte lusitana, o Centro Cultural Banco do Brasil armou a exposição Lusa: A Matriz Portuguesa, em cartaz até o dia 7 de setembro em São Paulo. A mostra reúne 107 peças, entre esculturas de ouro, cerâmica e mármore, além de quadros, gravuras, mapas e achados arqueológicos.

Lusa
Maquete da caravela usada na viagem da Família Real

Os objetos, reunidos de mais de 28 museus portugueses, mostram a produção cultural de um longo período histórico: vai da pré-história, passa pelo domínio romano às influências das presenças árabe, judaica e cristã, e culmina na passagem do século XV para o XVI, quando Portugal dominava os mares e, então, descobre o Brasil.

Mas como a monarquia portuguesa não investiu o dinheiro vindo de suas colônias em cultura, ciência e em exército, o país, em 1807, sentiu-se ameaçado por Napoleão Bonaparte que organizava uma invasão a Portugal. Por isso, D.João 6º decidiu mudar a sede de seu reinado para manter-se no poder.

Motivo da fuga

O exército de Napoleão Bonaparte, que até 1807 já havia destronado algumas monarquias, entre elas a francesa e a espanhola, se aproximava de Portugal com o mesmo objetivo. Dessa forma, o príncipe regente D. João 6º reuniu, além de suas jóias, livros, móveis, obras de arte e a corte portuguesa para embarcar para a sua mais rica e exótica colônia: o Brasil.

Apoio inglês

D. João e sua família só conseguiram atravessar o Atlântico, numa viagem de 52 dias que terminou em 22 de janeiro de 1808, com a ajuda oferecida pela marinha britânica – responsável pela logística e escolta de toda a tripulação de aproximadamente 15 mil pessoas divididas em 14 navios. O governo inglês, claro, estava interessado em estreitar sua relação com Portugal. Não à toa, uma das primeiras medidas de D. João ao desembarcar no Brasil foi abrir os portos da colônia para outros países, entre eles a Inglaterra.

Benefícios para o Brasil
A transferência da sede do Reino de Portugal trouxe mudanças significativas ao Rio de Janeiro, que em 1808 tinha cerca de 60 mil habitantes.

* As ruas do centro da cidade foram pavimentadas;
* Criação do Banco do Brasil, em 12 de outubro de 1808;
* Início da atividade da Imprensa Régia, em 1810;
* Abertura da Academia Real Militar, em 1810;
* Inauguração da primeira biblioteca em solo nacional, a Real Bibliotheca (atual Biblioteca Nacional), em 1811.

Compartilhe:

Tags:#Mundo