TRE-RJ torna Crivella inelegível até 2026 e web comemora

Prefeito está inelegível por 6 anos por abuso de poder político e conduta vedada a agente público

Por: Redação
Ouça este conteúdo

Por 7 votos a 0, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ) decidiu tornar o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos), inelegível por seis anos por abuso de poder político e conduta vedada a agente público. A decisão ainda pode ser revertida no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Marcelo Crivella ainda foi condenado a pagar multa de até R$ 106,4 mil. A decisão prevê a imediata comunicação ao Juízo Eleitoral responsável pelo registro das candidaturas, independentemente de recurso.

Crivella
Crédito: Reprodução/TV GloboPrefeito Marcelo Crivella está inelegível por 6 anos por abuso de poder político e conduta vedada a agente público

defesa do prefeito diz que ele vai recorrer e que estará apto para concorrer à reeleição em novembro.

A ação que pediu a inelegibilidade de Crivella diz respeito a um evento na Comlurb (empresa de limpeza) em que Marcelo Hodge Crivella, filho do prefeito, foi apresentado como pré-candidato a deputado.

Segundo a ação movida pelo PSOL e pela Procuradoria Regional Eleitoral (PRE), veículos oficiais foram usados para transportar empregados da Comlurb na hora do expediente. Crivella agradeceu ao presidente da empresa por ajudar seus candidatos e um outro candidato pediu votos ao filho do prefeito.

Nas redes sociais, internautas comemoraram  a decisão do TRE-RJ de tornar inelegível o prefeito do Rio.

“Marcelo Crivella fora das eleições, isso sim é uma grande benção, um milagre dos deuses”, escreveu um internauta. Uma outra lembrou uma foto de quando Crivella foi fichado pela polícia nos anos 1990. “#TurmaBoa e demais, em quanto tempo vamos ver um revival dessa icônica foto do Marcelo Crivella?”.

Governador do Rio

Ontem, a Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) de mais um passo no processo que pede o impeachment governador Wilson Witzel (PSC). Os deputados aprovaram, por unanimidade (69 a 0), o projeto que autoriza a abertura de um processo de crime de responsabilidade contra o governador afastado.

O caso segue agora para um Tribunal Misto formado por cinco deputados e cinco desembargadores do Tribunal de Justiça, onde será julgado.

Independentemente da decisão do Tribunal Misto, Witzel já está afastado do cargo por decisão do ministro Benedito Gonçalves, do STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Compartilhe: