Vídeo: Bolsonaro acompanha desfile de tanques da Marinha no Planalto

Em dia tenso de decisão do voto impresso na Câmara dos Deputados, estratégia do presidente é intimidar e demonstrar poderio junto aos militares

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) acompanhou um desfile de tanques da Marinha na manhã desta terça-feira, 10, em frente ao Palácio do Planalto, em Brasília. As imagens foram exibidas em live feita na conta do Facebook do presidente.

Bolsonaro acompanha desfile de tanques da Marinha no Planalto
Créditos: reprodução/Facebook
Bolsonaro acompanha desfile de tanques da Marinha no Planalto

No evento, estavam ao lado de Bolsonaro o ministro da Defesa, Walter Braga Netto, e os chefes militares da Aeronáutica (Carlos de Almeida Baptista Júnior), Exército (Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira) e Marinha (Almir Garnier Santos). Durante a passagem do comboio, o presidente fez acenos ao público, que gritava palavras de ordem como “a nossa bandeira jamais será vermelha” e “mito, mito, mito”.

Como você poderá assistir, durante o desfile, nem Bolsonaro nem nenhum comandante militar usava máscara de proteção facial. No momento, o Brasil já tem mais de 564 mil vítimas da covid-19.

– Mais informações todos os dias em nosso Telegram: https://t.me/jairbolsonarobrasil

Posted by Jair Messias Bolsonaro on Tuesday, August 10, 2021

O desfile de tanques acompanhado por Bolsonaro ocorre num momento de grande tensão no Congresso Nacional. Ele foi marcado para acontecer no mesmo dia em que a Câmara dos Deputados irá decidir pela PEC (proposta de emenda à Constituição) 135/19, que estabelece o voto impresso. É muito provável que a proposta não passe em plenário.

Por isso, a estratégia do presidente é usar da intimidação, a fim de demonstrar poderio junto aos militares. O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), lamentou o que definiu como uma “trágica coincidência” o desfile de blindados, horas antes da votação da PEC na Casa.

Em nota divulgada à imprensa, a Marinha tentou minimizar o desgaste gerado com outras Forças e também no meio político, e afirmou que o ato “simbólico” não tem relação com o projeto do voto impresso.