Dimenstein: Bolsonaro me fez sentir vergonha de ser brasileiro

Por: Gilberto Dimenstein | Comunicar erro

Como todos sabem, eu não queria Jair Bolsonaro na presidência. Nem o PT.
Mas ele foi eleito e, por uma questão prática, quero que ele dê certo.
Afinal, se ele der errado teremos mais crise econômica – ou seja, mais miséria e desemprego.

Mais: concordo com muitas das medidas defendidas por sua equipe econômica, mesmo as mais impopulares. Já disse e repito: a reforma da previdência terá meu apoio porque é uma medida vital para o Brasil.
Não gosto de Bolsonaro: considero-o uma mistura de mediocridade com arrogância.
Não gosto dele, mas amo meu país.
O que eu vi em Davos, na Suíça, me fez sentir vergonha de ser brasileiro.
Ele estava num dos ambientes mais sofisticados do planeta.
O problema não foi a duração do discurso. Mas a mediocridade.
Uma única frase definiu um dos mais importantes discursos da história.
Churchill disse no seu discurso de posse como primeiro-ministro do Reino Unido: “Não tenho nada a oferecer senão sangue, trabalho, lágrimas e suor”.
Não gosto de Bolsonaro, mas ali em Davos ele era presidente do meu país. Representava a imagem da minha nação que o escolheu.
Convidar a plateia para conhecer as belezas naturais do Brasil me pareceu uma convenção internacional da CVC para agentes de viagens internacionais.
Tudo era generalidades e superficialidades, misturadas com um toque de campanha eleitoral e asneiras do tipo  “ministério mais qualificado” da história do Brasil.
Um discurso lido num tom de um adolescente nervoso escolhido para falar em nome da turma na formatura. O que eu senti, ali, foi uma dose  pena, vendo a desadaptação de ser um ser humano num ambiente. Me fez lembrar situações em que eu estava constrangido em alguns lugares.
Para completar, o Brasil real invadiu Davos, com as reportagens sobre a ligação da família Bolsonaro com as milícias.
O presidente recusou-se a dar uma entrevista em que estariam os principais veículos de comunicação do mundo, desculpando-se com mentiras.
E terminou o dia, nessa farsa, dando uma exclusiva para a Record.
Tudo isso me fez sentir vergonha de ser brasileiro.

Compartilhe:

1 / 8
1
06:43
Após ser acusado de comunista, Dimenstein cobra provas de Hasselmann
A deputada federal Joice Hasselmann perdeu a calma nas redes sociais ao atacar o jornalista Gilberto Dimenstein, acusando-o de militante …
2
04:53
Netflix e KondZilla lançam ‘Sintonia’, da periferia para o mundo
KondZilla tem razão quando afirma: "A favela venceu". “Sintonia”, a nova série da Netflix, prova isso. A ideia original é dele …
3
04:21
Sinais que indicam problemas no estômago
Ter tosse seca pode ser um sinal que o seu estômago não vai muito bem. Hoje, o Dr. Raul Cutait, médico …
4
03:43
O estrago de Frota é maior que o Bolsonaro poderia acreditar
Após ser expulso do PSL, o deputado federal Alexandre Frota confirmou sua filiação ao PSDB, partido de João Doria, governador …
5
03:03
Câmara aprova projeto de lei sobre abuso de autoridade
A Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que define quais situações configuram abuso de autoridade. Agora, o texto …
6
04:07
Um pedido de desculpas à Angela Merkel pelas ofensas de Bolsonaro
Depois de dizer a um repórter que ele deveria fazer cocô dia sim, dia não para preservar o meio ambiente, …
7
03:26
Mortes provocadas pelo fim dos radares deveriam ter nome de Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro determinou nesta quinta-feira, 15, a suspensão dos radares de fiscalização de velocidade móveis em rodovias federais …
8
04:56
‘Risk’, na Netflix, vaza a imagem não autorizada de Julian Assange
Será que, em um ato de coragem, você arriscaria sua própria liberdade para trazer à tona realidades que manipulam a …