Dimenstein: carta da prisão mostra farsa da facada de Bolsonaro

É difícil saber até onde é farsa. Ou síndrome paranoia.

Jair Bolsonaro afirma que já sabe quem mandou matá-lo pelas mãos de Adélio Bispo.

Afirma que recebeu uma carta de um vizinho de cela de Adélio.

Mas afirma  que não vai dizer o nome do suposto mandante porque “vão falar que a carta é forjada”.

É fácil ver a farsa.

Em vídeo publicado na internet, Jair Bolsonaro diz: “chegou uma carta às minhas mãos e passei para as autoridades competentes. (…) A carta não foi dele (Adélio Bispo) não, é do vizinho de cela. Ele conta o drama dele primeiro, pô, dá até vontade de chorar. O drama dele, cheio de problema, etc. Se eu tivesse 10% dos problemas que ele tem teria morrido há muito tempo. Mas tudo bem, a carta chegou (…) e falou que o Adélio tem falado algumas coisas lá que… ”

O ex-militar ainda acrescenta: “se quiser vazar a carta pode vazar (inaudível) vocês pegaram essa carta. Agora, qual o problema ali? Se se … não pode publicar a carta, pelo trecho, pela letra, alguém pode chegar no vizinho e matar o vizinho.  Acho que é bom… não vaza não, pode dar problema pro vizinho.”

E conclui: “chegou ao meu conhecimento uma correspondência do vizinho de cela contando por alto quem poderia ser o mandante do crime. Eu não quero falar o nome do cara porque podem vir me questionar, vão falar que eu que forjei essa carta para criticar o João da Silva de tal partido. — disse o presidente.”

Ocorre que Adélio foi considerado doente mental por diferentes psiquiatras – um deles indicado por Bolsonaro.

O grau de doença é tão alto que ele não pode ser punido.

Como então confiar numa fala de Adélio a um vizinho de cela?

Isso supondo que a carta exista.

E, se existir, o tal informante esteja falando a verdade.

Nessa combinação de farsa com síndrome paranóide, Bolsonaro quer mostrar que foi vítima de uma conspiração das esquerdas – o que a Polícia Federal não conseguiu provar, apesar de meses de investigação.