CORONAVÍRUS
Tudo o que você precisa saberÚltimas notícias e tudo que você precisa saber

Mensagem viral nas redes mudou o Carnaval no Brasil

Por: Redação

Uma mentira contada mil vezes não pode se tornar verdade. Por exemplo, velhas frases que ouvimos em relação ao Carnaval, do tipo “Ninguém é de ninguém na folia”. Para ser dessa forma, tem que ser com consentimento. Afinal, assédio é assédio, em qualquer tempo ou lugar. Assim, junto com os blocos, já está nas ruas a campanha contra assédio no Carnaval realizada pela Catraca Livre.

Essa campanha foi selecionada pelo “Causando”, do projeto Mestres da Criatividade, da Catraca Livre, que apresenta as mais criativas publicidades com causa.

Foliã mostra adesivo da campanha contra assédio no Carnaval promovida pelo Catraca Livre
Crédito: Gabriel Nogueira/Catraca LivreFoliã mostra adesivo da campanha contra assédio no Carnaval promovida pela Catraca Livre

Em seu quarto ano, ela conta até com anjos para coibir a violência contra a mulher e o público LGBT nos dias de festa. E já mostrou resultados positivos em suas primeiras ações, realizadas no último sábado (23/2).

Coletivos feministas

Em seus primeiros três anos, a campanha teve o suporte maciço de coletivos feministas. Além disso, foram apurados relatos para mapear as ocorrências de assédio no Carnaval por todo o Brasil.

“Para este ano, decidimos chamar instituições de ainda mais peso para lutar pela causa”, conta Paula Lago, responsável pela campanha #CarnavalSemAssédio da Catraca Livre. “A ação precisava dar um passo além.”

Frentes de combate

Então, neste Carnaval de 2019, entraram como parceiros a Prefeitura de São Paulo e a Rua Livre, produtora de blocos que pensa ações de impacto social para a folia e para a cidade.

A força desse time passou a atuar em duas grandes frentes de combate ao assédio nos dias de festa.

Anjos do Carnaval

Uma delas é constituída por um grupo de Anjos do Carnaval. Trata-se de uma equipe de voluntários treinados que acolhe e orienta mulheres e LGBTs vítimas de assédio nos blocos.

Aliás, esses benfeitores “angelicais” também ficam de olho em assediadores localizados em cima dos trios elétricos e em blocos parceiros da campanha.

Voluntária entrega adesivos da campanha #CarnavalSemAssédio
Crédito: Gabriel Nogueira/Catraca LivreVoluntária entrega adesivos da campanha #CarnavalSemAssédio

Em paralelo, as vítimas de assédio são encaminhadas para um Ônibus Lilás. O veículo foi cedido pela Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania especialmente para a campanha, como ponto fixo de atendimento e espécie de “quartel-general”.

Assim, no ônibus, mulheres e LGBTs são atendidas por profissionais capacitadas – uma psicóloga, uma assistente social e uma advogada.

Avanços

As ações incluem a distribuição de 90 mil adesivos em blocos de São Paulo, do Rio de Janeiro e de Olinda (PE), trabalho também feito por voluntários.

No sábado (23/2), a campanha começou efetivamente nos blocos paulistanos Casa Comigo e Toca Um Samba Aí.

Por sinal, a coordenadora da #CarnavalSemAssédio, Paula Lago, diz já ter percebido um avanço em termos de conscientização neste Carnaval.

O Ônibus Lilás, espécie de quartel-general da campanha
Crédito: Divulgação/Prefeitura Municipal de São PauloO Ônibus Lilás, espécie de quartel-general da campanha

“O que mais me chamou a atenção neste ano é que as pessoas estão aceitando melhor quando você começa a falar sobre a questão do assédio”, afirma Paula. “Em anos anteriores, quando íamos entregar adesivos da campanha nos blocos, havia meninas que os recusavam dizendo coisas do tipo ‘Eu quero ser assediada’.”

Segundo a coordenadora, é possível entender a dificuldade de falar sobre o tema em um bloco, muito pela questão cultural.

“O que essas mulheres queriam, na verdade, era ser paqueradas, o que é bem diferente de assédio”, especifica. “Assédio é crime. As meninas agora estão recebendo melhor a mensagem, elas querem falar sobre isso e não aceitam mais que o assédio seja normalizado pela sociedade. É um passo importante.”

Parceiros

Além da Catraca Livre, da Rua Livre e da prefeitura, a ação conta com uma ampla rede de parceiros que inclui o Ministério Público, a ONU Mulheres, o Conselho Estadual da Condição Feminina, a Comissão da Mulher Advogada (OAB), o Metrô de São Paulo, a Delegacia da Mulher, o coletivo Não é Não, a ONG Engajamundo, a ONG Plan International, a JC Decaux, a Rede Nossas, a agência Fiquem Sabendo e a gráfica Lumi Print.

Nos últimos três anos, a campanha também teve o apoio da ONU Mulheres, da revista “Azmina”, dos coletivos “Agora é que são elas”, “Nós, Mulheres da Periferia” e “Vamos juntas?”, das redes Minha Sampa e Meu Recife e de cerca de 50 blocos de rua do Brasil, incluindo os feministas Mulheres Rodadas e Maria Vem com as Outras.

Os blocos que quiserem apoiar a campanha podem mandar e-mail para cidadania@catracalivre.com.br.

“O assédio e a violência no Carnaval não vão se resolver por inércia”, reforça Paula Lago. “É preciso encarar o problema.”

Todos os conteúdos da campanha #CarnavalSemAssédio são apoiados oficialmente pela 99.

1
03:38
Joice Hasselmann é a prova viva da doença mental de Bolsonaro
Joice Hasselmann não fez nada de errado em relação a Jair Bolsonaro. Como política, criou vários canais de diálogo, como …
2
02:21
Polícia Federal revela fraude do PSL
Uma operação da Polícia Federal cumpriu mandado de busca e apreensão nesta terça-feira, 15, em endereços ligados ao deputado federal …
3
02:44
Carta da prisão mostra suposto mandante da facada de Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro publicou um vídeo na internet afirmando ter recebido uma carta com o nome do suposto mandante …
4
03:35
Assessor de Bolsonaro chama Coringa de esquerdista sem Deus
O filme do inimigo do Batman chegou definitivamente para colocar mais lenha na fogueira das discussões políticas. Que o diga …
5
02:46
Bolsonaro vai ter de engolir a Folha de S.Paulo sem água
Uma matéria publicada pelo jornal Folha de S.Paulo mostra que a Polícia Federal (PF) indiciou o ministro do Turismo, Marcelo …
6
02:43
Bolsonaro briga com novos métodos medicinais
A proposta que visa liberar o cultivo da maconha medicinal no Brasil segue em discussão na Anvisa (Agência Nacional de …
7
02:42
A novela de Adélio Bispo ganha um novo aliado
Mal assumiu o cargo de procurador-geral da República, Augusto Aras já mostra estar alinhado com Jair Bolsonaro ao aderir à …
8
02:49
Entenda por que Lula não quer sair da cadeia
O ex-presidente Lula reafirmou nesta segunda-feira, dia 30, que não vai aceitar a proposta feita pela força-tarefa da Operação Lava-Jato …