Ficou pequeno? Site compra peças infantis seminovas para revender

Informar

Dinheiro é a principal causa de brigas entre os casais; veja dicas para uma vida financeira harmoniosa com o parceiro

Por: Pra Onde vai Agora? | Comunicar erro
iStock
iStock

“O dinheiro é mais importante do que sexo quando se trata da duração ou da ruptura de um casamento”. Embora a frase do educador financeiro americano Alvin Hall seja polêmica, o dinheiro é, segundo estudos da Experian, a principal causa das brigas entre os casais. Uma pesquisa feita no Reino Unido pela Experian, com 3 mil pessoas, apontou que questões financeiras representaram 56% das causas de divórcio nos últimos seis anos.

De acordo com os especialistas da Serasa, os estudos britânicos se aplicam totalmente à realidade brasileira. “Quando entrevistamos consumidores brasileiros, em pesquisas sobre educação financeira, percebemos que o dinheiro é a principal causa de conflito entre os casais. Sabemos que demora um tempo para que qualquer casal se sinta confortável para discutir sobre finanças, mas para que o relacionamento não degringole, é fundamental que os parceiros entendam o impacto das decisões financeiras no dia a dia e como isso pode afetar a vida a dois, diz a gerente do SerasaConsumidor, Karla Longo.

Pensando em contribuir para melhor compreensão do assunto, o SerasaConsumidor, dá dicas para uma vida financeira harmoniosa com o parceiro:

1 – Esteja aberto a falar sobre dinheiro com o seu parceiro. A maioria dos casais não se sente confortável para discutir sobre questões financeiras com o parceiro.

2 – Não guarde segredos financeiros do parceiro. Uma pesquisa da Experian mostrou que 29% das pessoas no Reino Unido descobriram que seu parceiro tinha contraído uma dívida de cartão de crédito a partir deles. Mesmo que esteja em apuros, a transparência e a honestidade é sempre a melhor saída.

3 – Tenha planos financeiros para o curto, médio e longo prazos. Eleja prioridades e estabeleça netas.

4- Coloque as contas na ponta do lápis.

5 – Fale sobre seu passado financeiro com o seu parceiro. É muito importante saber se vocês estão, atualmente, na mesma página e como foi o comportamento do parceiro em relação à administração do dinheiro no passado, para que vocês não venham a ter problemas

6 – Não deixe que as diferenças em relação ao uso do dinheiro desgastem o relacionamento. Um pode querer gastar o dinheiro, por exemplo, na troca de carro e o outro, na decoração da casa.

7- Discuta seus medos em relação ao dinheiro. Um pode ficar paranoico quando se faz um financiamento, por exemplo, já para o outro isto pode ser natural.

8 – Divida as responsabilidades financeiras com o seu parceiro. Assim, o peso não fica nas costas de um só. A divisão das despesas da casa deve ser de comum acordo.

9 – Discuta suas atitudes em relação às finanças. Se você é um avarento e seu parceiro um gastador ou vice versa, por exemplo, tente primeiro compreender as atitudes do seu parceiro em relação às dívidas.

10 – Nunca gaste sem o acordo de seu parceiro, ele pode trazer à tona questões psicológicas não resolvidas. Para a psicóloga britânica especializada em relacionamentos, Susan Quilliam, desacordos financeiros podem trazer sentimentos poderosos da infância que não foram bem resolvidos. Por exemplo, se o dinheiro era muito apertado na infância, a pessoa pode ficar inquieta com os gastos do outro, mesmo com uma situação confortável agora.

11 – Estabeleça um limite financeiro para algumas extravagâncias. Por exemplo, um jantar fora de casa deve ser prazeroso e não uma dor de cabeça.

12 – Tenha sempre uma reserva para as vacas magras. Imprevistos acontecem, você ou seu parceiro podem ter uma redução na renda, perder um emprego ou até mesmo ficar doente. Consultores financeiros da Experian sugerem que vocês tenham um colchão de 3 a 6 meses de salário para eventos inesperados. Uma pesquisa da Universidade de Warwick, Inglaterra, com seis mil casais, apontou que são nas épocas de crise que as chances de divórcio aumentam. Segundo o professor Andrew Oswald, da Universidade de Warwick e responsável por esta pesquisa, não é a redução da renda que provoca o divórcio, mas, sim a frustração das expectativas. Ainda segundo o estudo britânico, um dos resultados estatísticos mais fortes é que quanto maior a renda do homem, maior a chance de o casal ficar juntos: homens que ganham 20% a mais que suas companheiras são 46% menos propensos a se divorciarem do que aqueles que ganham 20% a menos.

13 – Tenha claro que se seu relacionamento não der certo, você terá de separar suas finanças e isto não acontece automaticamente. Por isso, compreenda o impacto das decisões financeiras no dia a dia e como elas podem afetar a vida de um casal.

Compartilhe:

Autor: Pra Onde vai Agora?

Se desta vida não se leva nada, vamos sair pelo mundo e coletar memórias de lugares maravilhosos! Pra onde você vai agora?

Termos da rede:

Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do usuário Pra Onde vai Agora? da Rede Catraca.

O Catraca Livre disponibiliza espaço no site para que qualquer interessado possa contribuir com cidades mais acolhedoras, educadas e criativas, sempre respeitando a diversidade de opiniões.

As informações acima são de responsabilidade do autor e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.