Apenas 1% da população brasileira é fluente em inglês

Brasil é o 60º no ranking de proficiência em inglês

Se você fala inglês, parabéns. Está entre os 5% dos brasileiros que falam esta língua e, caso você a domine fluentemente, entra na seleta lista de apenas 1% dos que dominam esse idioma no Brasil.

Se parece preocupante, não é à toa: o domínio do inglês é tão importante para o mundo corporativo quanto às próprias competências do cargo, e ter conhecimento desta língua já se tornou um fator de ascensão social por aqui.

Apenas 1% da população brasileira é fluente em inglês
Créditos: Bet_Noire/iStock
Apenas 1% da população brasileira é fluente em inglês

Um exemplo disto é uma pesquisa realizada pelo site de recolocação profissional Catho, que afirma que um profissional que possui fluência no idioma pode ter um salário até 61% maior do que pessoas que não possuem essa qualificação. Uma diferença  gritante, não?

E não para por aí: ainda de acordo com o levantamento, o domínio do idioma está diretamente ligado ao nível hierárquico, ou seja, quanto mais alta for a função, maior é o salário.

Brasil é o 60º no ranking de proficiência em inglês

Se isso tudo não acende um alerta para aprender a língua, por que então o brasileiro está tão abaixo no nível de proficiência deste idioma?

Para a EF (EF Education Live), empresa de educação internacional especializada em intercâmbio, os problemas estão na área da educação e distribuição de renda. Segundo nota divulgada, “os sistemas educacionais de baixo desempenho e altos níveis de desigualdade econômica dificultam os esforços para melhorar a proficiência no idioma em países como o Brasil”.

 Brasil é o 60º no ranking de proficiência em inglês
 Brasil é o 60º no ranking de proficiência em inglês

Além disso, 88% das pessoas que pretendem fazer um curso de inglês no país buscam por cursos que não durem mais de 2 anos. Isto fez com que o mercado de programas de ensino desenvolvesse cursos de até 18 meses, o que é preocupante quando falamos em aprendizagem de uma nova língua.

Segundo a CEFR (Common European Framework of Reference), são necessárias pelo menos 500 horas de estudos para atingir um nível intermediário da língua e cerca de 1.000 a 1.200 horas se dedicando para adquirir fluência em inglês.

Uma luz no fim do túnel

Mas nem tudo está perdido: a 7Waves, plataforma que auxilia na organização de metas, mostrou que só no ano passado, 40,2% das pessoas estabeleceram como meta aprender este idioma. Além disso, seis a cada dez brasileiros programaram viagem para o exterior, sendo 20% das viagens planejadas com intenção de aprender o inglês.

Aprender a língua, portanto, pode ser uma motivação que vai além de subir de cargo no ambiente profissional, já que hoje em dia o inglês é uma das línguas mais faladas no mundo, principalmente quando falamos em conectividade.

Ao compreender a língua, você pode aproveitar bem mais os recursos oferecidos pelo mundo online, como assistir vídeos, ler livros e claro, conversar com diversas pessoas ao redor do mundo, conhecer outras culturas e viajar com muito mais segurança.

Com o mundo operando em um novo formato de trabalho híbrido, então, imagine só as oportunidades conquistadas ao aprender uma nova língua: é possível conseguir empregos em outros países, morar ou viajar para o exterior sem o medo de não conseguir se virar por não dominar o inglês e até fazer o tão sonhado intercâmbio.

E para alcançar isso, não é preciso ter medo: os cursos costumam ter um teste de nível para que você consiga aprender da forma mais correta possível, de acordo com o seu nível de entendimento da língua.

Experimente realizar uma aula de inglês online, particular ou em grupo, para iniciar seus estudos e/ou melhorar sua proficiência. Com professores especialistas e diversos materiais de apoio, é possível conciliar sua rotina com horas de estudo e aplicação no inglês, mantendo uma boa frequência para dominar o idioma, sem precisar se deslocar ou ter medo de não acompanhar a turma.