Senhora de 65 anos é acolhida por crianças para aprender a ler

– “João…” – eu, falando com meu priminho de seis anos.
– “Ã?”
– “É verdade que você tem uma coleguinha de 65 anos na sala de aula?”
– “Sim” – ele está no 1º ano do ensino fundamental.
– “Ah, é?”
– “É a dona Nena.”
– “E como ela é?”
– “Velha.”
– “Humm… e o que ela fica fazendo na sala?”
– “Escrevendo o que a professora põe no quadro.”
– “E por que será que ela faz isso, João?”
– “Ela quer saber ler.”

O relato acima foi compartilhado na página “Que história é essa?”, e já ultrapassa as 28 mil curtidas – clique aqui para ler o depoimento na íntegra. A história é de uma senhora de 65 anos, Juscelina Maria Cruz Madalena, a Dona Nena. Ela foi acolhida no centro de ensino fundamental Escola Municipal Monteiro Lobato, em Foz do Iguaçu, onde divide uma sala de aula com 22 crianças de seis e sete anos, e passou a protagonizar uma história que revela o potencial transformador da educação. A  jornalista Izabelle Ferrari, que mantém a página, soube do caso pelo primo Vitor, colega de turma de dona Nena.

Nona Nena tem apoio total de seus colegas de seu turma em seu aprendizado: "As crianças não se aguentam: levantam e vão lá me ajudar. Aí, acabam aprendendo duas vezes!"
Crédito: PicasaNona Nena tem apoio total de seus colegas de seu turma em seu aprendizado: “As crianças não se aguentam: levantam e vão lá me ajudar. Aí, acabam aprendendo duas vezes!”

A história de Dona Nena remete a uma infância privada de direitos básicos e cercada de limitações de gênero: ela foi impedida pelo pai e depois pelo marido de frequentar a escola, pelo fato de ser mulher. Quando era criança, ela se viu obrigada a abandonar os estudos para trabalhar na lavoura com os irmãos.

“Quando eu era criança, meu pai não me deixou estudar. Só trabalhar na lavoura. Nós chorava, mas ele dizia que menina muié não precisava estudar, não. E a minha mãe dizia que estudar servia só pra escrever cartinha pros namorados”, conta.

Sua colega de sala, Yannely, de seis anos, conta como faz para ajudar Dona Nena: – “Eu falo as letras que ela vai escrever. Ela aprende quase fácil, porque às vezes ela erra um pouco a letra.”
Crédito: PicasaSua colega de sala, Yannely, de seis anos, conta como faz para ajudar Dona Nena:
– “Eu falo as letras que ela vai escrever. Ela aprende quase fácil, porque às vezes ela erra um pouco a letra.”

Durante toda a sua vida, a escola foi um sonho distante, que ela realiza agora ao lado de seus pequenos colegas. Assista ao vídeo, publicado pelo Paraná Portal:

*Com informações do Hypeness

Leia mais:

1 / 8
1
30s
Onde ou Aonde?
Responda rápido: "Onde você quer ir jantar?" ou "Aonde você quer ir jantar?". Qual a resposta correta.
2
34s
Use “anexo” corretamente
Na hora de enviar um e-mail corporativo, você sabe como escrevê-lo corretamente?
3
34s
Senão ou se não?
Aprenda quando usar o "senão" ou "se não".
4
33s
Presente do Subjuntivo
Aprenda a usar corretamente o Presente do Subjuntivo.
5
02:13
O estilista que ensina de crochê em penitenciária masculina
O projeto Ponto Firme, criado pelo estilista Gustavo Silvestre, tem como objetivo transformar a vida de detentos de uma penitenciária …
6
01:47
Como se apaixonar por Bach – Lição 10
Curso "Como se apaixonar por Bach", com o maestro e pianista João Carlos Martins.
7
01:48
Como se apaixonar por Bach – Lição 9
Curso "Como se apaixonar por Bach", com o maestro e pianista João Carlos Martins.
8
01:30
Como se apaixonar por Bach – Lição 8
Curso "Como se apaixonar por Bach", com o maestro e pianista João Carlos Martins.