Últimas notícias:

Loading...

151 coisas que preocupam os caras mais espertos do mundo

Por: Catraca Livre

Texto por Brian Merchant

Todo ano, a revista online Edge — considerada “o site mais inteligente do mundo” e encabeçada pelo empresário das ciências John Brockman — pergunta aos maiores cientistas, tecnólogos, escritores e acadêmicos uma única questão. Este ano, a pergunta foi “Com o que deveríamos estar preocupados?”, e a ideia era identificar novos problemas que surgem na ciência, na tecnologia e na cultura que ainda não foram amplamente reconhecidos.

As pessoas que responderam a pergunta deste ano foram ex-presidentes da Royal Society, vencedores do prêmio Nobel, autores famosos de ficção científica, Nassem Nicholas Taleb, Brian Eno e um monte de físicos teóricos, psicólogos e biólogos renomados. E a lista é longa. Longa mesmo. São 150 coisas diferentes que preocupam 151 dos maiores cérebros do planeta. E eu li o negócio inteiro, então você não tem que fazer isso: aqui vai a versão Buzzfeedizada, com citações, o título e um resumo do medo apresentado em cada ensaio. Claro, vá lá ler a coisa toda se algum dos medos abaixo te deixar muito cabreiro.

O que tira o sono dos caras mais espertos do mundo? Lá vai:

1. A proliferação da eugenia chinesa. – Geoffrey Miller, psicólogo evolutivo.

2. Eventos do tipo Cisne Preto e o fato de que continuamos confiando em modelos que já se provaram fraudulentos. – Nassem Nicholas Taleb.

3. Que seremos incapazes de derrotar vírus aprendendo como empurrá-los para além de seu limiar de erro catastrófico. – William McEwan, biólogo e pesquisador molecular.

4. Que pseudociências vão ganhar terreno. – Helena Cronin, escritora, filósofa.

5. Que a era do aceleramento da tecnologia vai nos dar muitas oportunidades para nos preocupar. – Dan Sperber, cientista social e cognitivo.

6. Eventos genuinamente apocalípticos. O número crescente de eventos de baixa probabilidade que podem levar à devastação total da sociedade humana. – Martin Rees, ex-presidente da Royal Society.

7. O declínio da cobertura científica nos jornais. – Barbara Strauch, editora de ciências do New York Times.

[Continue lendo aqui.]

Compartilhe: