Empresária revela causa de nova internação de Claudia Rodrigues

Atriz fraturou a costela e a vértebra

Por: Redação

Claudia Rodrigues voltou a ser internada no Hospital Israelita Albert Einstein, no Morumbi, em São Paulo (SP), na última segunda-feira, 13. A causa da internação não havia sido revelada até a tarde de terça-feira, 14, quando a empresária da atriz, Adriane Bonato, gravou stories no Instagram para explicar o estado de saúde da artista.

claudia rodrigues
Crédito: Reprodução/Instagram Claudia Rodrigues fraturou costela e vértebra da coluna após queda

Segundo relato, Claudinha – que faz tratamento de esclerose múltipla há 20 anos – sofreu uma queda no banheiro após uma reunião virtual em sua casa no último domingo, 12.

“Ela foi tomar banho e ao sair ela bateu de forma brusca na pia do banheiro e criou-se um hematoma muito grande. Como ela estava com muita dor, falamos com o Dr. Rodrigo e ele pediu que ela viesse ao Hospital Albert Einstein aqui em São Paulo, onde estamos desde ontem, quando ela foi internada pela manhã”, afirmou.

Adriane disse que os resultados dos exames não foram bons, pois Rodrigues fraturou uma costela e uma vértebra da coluna.

A empresária disse também que a atriz foi submetida a outros exames e que apareceram novas lesões no cérebro, que serão estudadas mais profundamente pelos médicos. “Os exames mostram uma coisa e a Claudia mostra outra”, completou.


ESCLEROSE

A doença é autoimune e degenerativa e afeta o sistema nervoso central. Com isso, o paciente tende a perder a capacidade de controlar o corpo. Em casos graves, perde a capacidade de andar e de falar.

A fadiga é um dos sintomas mais comuns apresentados por quem sofre da doença que ainda não tem cura. Geralmente o cansaço intenso se apresenta quando a pessoa faz um esforço físico. Esse é apenas um dos sinais da doença autoimune que afeta o cérebro, nervos ópticos e a medula espinhal (sistema nervoso central).

Estima-se que a esclerose múltipla atinja hoje no mundo 2,3 milhões de pessoas, sendo 35 mil brasileiras. Por se tratar de uma doença silenciosa, é preciso ficar atento aos sinais, que em geral começam a aparecer na faixa dos 20 aos 40 anos, especialmente em mulheres.

Os mais atingidos com a esclerose são os mais jovens, principalmente mulheres entre 20 e 40 anos, segundo dados da Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz).

SINTOMAS

De acordo com a coordenadora do Instituto de Neurologia do Hospital Santa Paula, Renata Simm, os sintomas são variados, podem acontecer a qualquer momento e duram, em média, cerca de uma semana. Entre os sintomas estão:

– Perda da visão, visão dupla ou embaçada

– Incontinência urinária

– Fraqueza em partes do corpo

– Dificuldade de engolir

– Formigamento das pernas ou de um lado do corpo

– Desequilíbrio

– Falta de coordenação motora

– Fadiga desproporcional à atividade realizada

– Dores crônicas

– Disfunção erétil nos homens

– Diminuição de lubrificação vaginal nas mulheres

DIAGNÓSTICO

A primeira coisa a ser feita em caso de suspeita de esclerose múltipla é buscar ajuda de um médico neurologista. Como existe uma série de doenças inflamatórias e infecciosas com sintomas parecidos, somente o médico saberá identificar.

O diagnóstico é clínico, baseado no relato do paciente e em exames, como a ressonância magnética do cérebro e o exame do líquido da medula espinhal.

TRATAMENTO

Embora a esclerose múltipla ainda não tenha cura, há tratamentos que ajudam a atenuar os afeitos e desacelerar a progressão da doença. Hoje, no Brasil, já existem diversas opções de tratamento, através de cápsula oral diária ou injeções.

Compartilhe: