Publicidade

Informar

Colar de Marquezine em ‘Deus Salve o Rei’ custa quase R$2 mil

Por: Redação | Comunicar erro
...
Publicidade

“Deus Salve o Rei” mal estreou e o público já se encantou por sua estética medieval, com cenários e figurinos super elaborados, inspirados em séries como “Game of Thrones” e “Vikings”.

Um dos destaques do elenco é Bruna Marquezine, que foi escolhida para viver Catarina Vila Real, Princesa de Artena. A personagem carrega no pescoço um maxi colar, que, logo na primeira semana de exibição, atraiu o olhar dos espectadores por toda a sua pompa.

Bruna Marquezine em “Deus Salve o Rei”

O colar usado por Marquezine foi feito por Ana Zulma e está à venda por nada menos que R$ 1890. A peça produzida em prata demandou mais de 9 horas ininterruptas de trabalho e ganhou detalhes especialmente para a produção.

“A pedra do colar da novela é diferente da que usamos na coleção, pois ela foi encontrada num antiquário e me foi dada pela equipe de figurino para colocar”, escreveu a designer de jóias em seu Instagram.

Zulma ainda é responsável por mais um colar usado por Marina Ruy Barbosa e outros dois acessórios da personagem de Bruna: um colar body chain, produzido com exclusividade e que não está a venda, e uma pulseira feita em prata e pirita.

Como o Catraca Livre Estilo sabe que a grana anda curta para abusarmos nas compras, selecionamos três opções de maxi colares prateados com pedras, de até R$29,90, para quem quiser se inspirar na Princesa de Artena sem gastar muito.

Confira:

Maxi Colar Prateado com Strass Preto
Maxi Colar Prata Velha com Resina e Pedras
Maxi Colar com Resina de Bijuteria

  • Leia mais:

https://catracalivre.com.br/geral/inusitado/indicacao/quem-e-voce-entre-as-protagonistas-de-deus-salve-o-rei/

Compartilhe:

Publicidade
Publicidade

Museu de Anatomia Humana da USP exibe peças que ensina como o seu corpo funciona

Cereja Flor: O lugar das taças de sorvetes gigantes em São Paulo

Fondue taiwanês é a próxima delícia que você tem de provar

Médica tira dúvidas sobre anticoncepcional

Refugiados se tornaram microempreendedores em um lava-rápido em São Paulo

Publicidade