O retrato romântico e cheio de brilho do "rei dos contos de fada" bávaro, Luís II (1845 - 1886). Já cedo ele se distancia da política e se volta para as artes. O filme desenrola-se entre sua coroação e sua morte misteriosa no Lago de Starnberg, descreve sua amizade por Richard Wagner, ocupa-se de seu amor platônico por Elisabeth (Sissi), a futura Imperatriz da Áustria, e narra sua paixão pela construção de castelos suntuosos.

Helmut Käutner traça-o como um soberano solitário que vai enlouquecendo aos poucos. Em O.W. Fischer, o popular ator, ele achou um fidedigno representante do rei bávaro.

Sobre o cineasta

Cineasta, ator, e roteirista, Helmut Käutner (1908-1980) foi um dos mais aclamados diretores alemães de sua geração. Tendo estudado Arquitetura, Filosofia, Teatro, História da Arte e Design, começou primeiramente a trabalhar no teatro como ator e diretor e iniciou sua carreira no cinema como roteirista.

Fez 36 filmes para o cinema. A mostra, uma parceria entre o CCBB e o Goethe-Institut São Paulo,  exibe um terço da obra completa do diretor e preenche uma lacuna ao exibir um cineasta muito pouco visto no Brasil. A programação inclui seus filmes mais relevantes, incluindo suas três reconhecidas obras-primas “Romance em Bemol” (1943), “Grande liberdade nº7” (1944) e “Debaixo das Pontes” (1945).

Ludwig II - Brilho e miséria de um rei