Você tem apenas um dia em Lisboa? É muito pouco, mas poderá ser intenso: corra direto para o bairro Amoreiras. Lá no número 56, diante da encantadora praça com o Aqueduto das Águas Livres, fica a Fundação Árpád Szenes-Vieira da Silva.

_MG_4093

Créditos: _MG_4093

 

O acervo abriga grande parte da obra do casal de artistas Maria Helena e Árpád.

O porquê dessa dica? Vieira da Silva também curtia viajar. Ela gostava de viagens bem curtinhas, onde nem sequer precisasse levar malas. Mas, você sabe qual era o lugar preferido da renomada artista lisboeta? Qual será?
Era seu próprio atelier! Para ela esse espaço mágico oferecia um mundo diferente todos os dias!

O quadro da artista que ilustra essa nota --painel com as chaves dos quartos de um hotel-- além de belo grafismo de números e chaves, nos remete ao momento prazeroso de receber a chave do quarto quando, em uma viagem, chegamos enfim ao hotel.

Uma vez na Fundação aproveite para saborear o ‘Prego do Lombo’, especialidade da chef Teresa Frazão, no café do museu. Mas, da próxima vez dedique mais tempo para descobrir os muitos atrativos de Lisboa.

Outra sugestão é ir direto a Belém. Você pode ir de bonde, o elétrico, como se diz por lá, que para exatamente diante do número 84, na Rua Belém, onde fica a renomada confeitaria --Pastéis de Belém. Estes são verdadeiras joias, e os únicos que têm o direito de utilizar esse nome, os demais vendidos ao redor do mundo, são Pastel de Nata ou Pastel Português. Mas, provar um Pastel de Belém, no mesmo local onde foi criado, ahh! Isso é outra história.

Quer saber: em Portugal, depois da Revolução Liberal de 1820, os sacerdotes foram expulsos do Mosteiro dos Jerónimos. Numa tentativa de sobreviver alguns deles começaram a produzir uns pastéis doces, cuja receita é a mesma até os dias de hoje.

Em Belém, ele chega quentinho no balcão da confeitaria sempre lotada de viajantes que suspiram com o recheio cremoso e a massa crocante. Agora, para queimar as calorias, caminhe até o imponente Mosteiro dos Jerónimos que fica do outro lado da rua, e depois da visita, siga até a Torre de Belém.

Como ir: www.flytap.com

Para saber mais: Fundação Árpád Szenes – Vieira da Silva www.fasvs.pt

Imagem Autor

Site de viagens e descobertas. Sugestões para despertar a mudança que o viajante, mesmo sem o saber, deseja. Viajar muda também seu interior, daí “viajar para se descobrir”

+ posts do autor

Rede Catraca Livre

Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do usuário da Rede Catraca.

O Catraca Livre disponibiliza espaço no site para que qualquer interessado possa contribuir com cidades mais acolhedoras, educadas e criativas, sempre respeitando a diversidade de opiniões.

As informações acima são de responsabilidade do autor e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.