Damos início nesta quarta-feira, dia 1º, ao segundo ano da campanha #CarnavalSemAssédio. Nosso objetivo é mostrar que paquerar, beijar e se divertir fazem parte da folia, mas há uma condição: é preciso respeitar a vontade das mulheres.

Puxar a menina, beijá-la à força, agarrá-la, xingá-la, passar a mão, entre outros atos comuns no Carnaval de rua, são formas de violência que não podem ser toleradas por uma sociedade que respeita seus cidadãos.

Promovida pelo Catraca Livre, em parceria com a revista “Azmina” e os coletivos “Agora é que são elas”, “Nós, Mulheres da Periferia” e “Vamos juntas?”, a campanha irá expor esses abusos e lutar pelo fim da violência.

Campanha #CarnavalSemAssédio luta por respeito na folia

Créditos: Gabriel Nogueira / Catraca Livre

Campanha #CarnavalSemAssédio luta por respeito na folia

Em 2016, tivemos o apoio da ONU Mulheres, Chico Buarque, Karol Conka, Nando Reis, Valesca Popozuda, Pitty, Sidney Magal, entre outros, além de diversos blocos de rua (confira a lista completa).  

Sua participação é imprescindível para ampliarmos o alcance da campanha. Para fazer parte, é fácil: compartilhe fotos nas redes sociais com a hashtag #CarnavalSemAssédio.

Já sofreu assédio no Carnaval? Conte sua história nas mídias sociais usando a hashtag da campanha para, juntos, quebrarmos o silêncio.

  • Passadas de mão, beijos à força, puxões no cabelo e outras investidas sem consentimento não podem ser encaradas como algo natural no Carnaval. Veja aqui como denunciar.

Assista ao vídeo de lançamento da campanha: