Um dos maiores fenômenos musicais dos últimos tempos, o funk ostentação – modalidade em que os MCs criam letras para ostentar os bens de alto valor que têm ou gostariam de ter – faz enorme sucesso entre os jovens de dentro e fora da periferia. Mas, na carona desse sucesso, um grupo de MCs tem usado o funk e o rap para passar uma mensagem diferente: estudar é mais legal do que beber e gastar dinheiro.

O objetivo dos “MCs pela Educação” é convencer os jovens das escolas públicas da periferia que é mais maneiro ostentar boa educação e uma vida saudável do que correntes de ouro e carrões. Seus integrantes usam o rap e o funk para passar mensagens como as dos vídeos abaixo.

Os “MCs Pela Educação” lançaram recentemente um CD chamado “Consciência e Atitude” e fazem shows em várias escolas para divulgar sua mensagem. O projeto é realizado por uma parceria entre o Instituto Gerando Falcões e a Ambev.

A inclusão pelo consumo

Para entender um pouco melhor o que é o funk ostentação e por que ele é tão influente, uma boa fonte é o documentário “Onde Deus é uma nota de 100”, dirigido por Alice Riff e Luciano Onça.

O vídeo, que tem cerca de 15 minutos, pinta uma imagem diferente desse tipo de funk. Com um olhar sociológico, os diretores mostram como a ostentação do consumo pode ser encarada como um atalho de inclusão social para pessoas que sempre viveram à margem do mercado consumidor.

Confira abaixo.