Durante um discurso de Donald Trump em Kinston, na Carolina do Norte (Estados Unidos), a euforia se transformou em histeria quando vários apoiadores do candidato começaram a apontar para um homem negro próximo ao palco, que vestia paletó e óculos escuros. Na visão do público, o americano se tratava de um manifestante.

No entanto, de acordo com informações do jornal O Globo, o homem foi identificado como C. J. Cary, de 63 anos, um partidário fiel do milionário, que havia coberto os olhos para se proteger da sensibilidade à luz.

"Está tudo bem, deixem-no em paz", disse Trump em um primeiro momento. "Temos aqui um manifestante. Onde ele está? Ele foi pago? A propósito, você recebeu US$ 1,5 mil para ser um bandido?", continuou.

O suposto manifestante foi expulso do comício após ordem de Trump

Créditos: Reprodução

O suposto manifestante foi expulso do comício após ordem de Trump

Donald Trump se referia às acusações de que a campanha de Hillary Clinton pagava seus apoiadores para atrapalhar eventos do adversário. Enquanto era vaiado pela multidão, Cary foi escoltado pelos seguranças até a saída, após o empresário ter ordenado sua retirada do local.

Em entrevista à mídia norte-americana, o homem explicou que havia se aproximado do palco porque gostaria de entregar ao candidato uma carta em que criticava Hillary Clinton e Barack Obama. Mesmo depois do constrangimento, o voluntário da campanha de Trump ainda planeja votar no milionário.