A atriz transgênero Laverne Cox, do seriado "Orange is the new black", tornou-se símbolo para toda a comunidade LGBT. Nesta semana, a história de uma mãe que levou sua filha trans de sete anos, chamada M., para assistir a um discurso que Cox estava dando na prefeitura, emocionou muitos usuários das redes. As informações são do site Pac Mãe.

A mãe, Marlo Mack, escreve sobre a transição da filha em seu blog "Gender Mom". Na página, ela relatou sobre o momento em que a pequena M. conheceu a atriz, que disse a ela: "Lembre-se querida, ser trans é lindo".

Reprodução

Créditos: Reprodução

Laverne Cox disse à menina: "Lembre-se querida, ser trans é lindo"

Veja um trecho da publicação da mãe:

"OITNB não é realmente apropriado para uma criança de 7 anos assistir. Mas eu tinha mostrado uma foto de Laverne para M. na capa de uma revista. De certa forma ela sabia que Laverne era importante e que também era transexual.

Nós chegamos cedo o suficiente para pegar assentos bem na frente, e quando Laverne entrou na sala a multidão enlouqueceu. M, ficou super feliz aplaudindo e batendo palmas.

Acho que M. era uma das únicas crianças na platéia. Mas a mensagem que fica e que ela entendeu é: aqui está alguém que é talentosa, inteligente, famosa, amada por multidões. E ela também é como você.

Um amigo de um amigo disse que conhecia os organizadores do evento e poderia nos encaminhar para a recepção onde Laverne estaria após o discurso. Eu meio que duvidei que ele lembraria de colocar nossos nomes na lista. Assim que M. sentou no meu colo, eu disse que talvez (apenas talvez), ela poderia conhecer Laverne naquela noite.
“Sério?” Ela disse.

Os nossos nomes estavam na lista, mas Laverne ainda não estava lá quando entramos na recepção. M. se posicionou num lugar perto de algumas portas. Tinham várias entradas, pq ela acharia que Cox viria por uma daquelas portas? M. ignorou minha pergunta e ficou sozinha no outro extremo da sala, de costas pra mim.

Ela estava certa, poucos minutos depois, Laverne entrou por aquelas portas e a multidão foi a loucura. Mas dessa vez uma pessoa pequenina em um vestido florido ficou entre ela e a multidão. Olhando em seu rosto, esperando para ser notada.

Laverne acenou para todos, nos agradeceu graciosamente e então olhou aquela garotinha bloqueando o caminho.

“Bem, olá” – disse ela.

“Eu sou M.” – minha filha disse.

Laverne sorriu pra ela: “Olá M.”

“Eu sou trans”, disse M. (...)”

Leia aqui o texto na íntegra.