O Catraca Livre lançou no dia 1º de fevereiro a campanha #CarnavalSemAssédio com o objetivo de lutar por respeito na folia. Em seu segundo ano, a iniciativa tem como parceiras a revista "Azmina" e os coletivos "Agora é que são elas", "Nós, Mulheres da Periferia" e "Vamos juntas?".

Em uma das primeiras publicações sobre a campanha no Facebook, na qual estava escrito apenas #CarnavalSemAssédio, diversos leitores fizeram comentários machistas e que disseminam a cultura da violência contra a mulher no Brasil. Na rede social, uma usuária compartilhou o print abaixo:

Imagem compartilhada por uma leitora na rede social

Créditos: Reprodução / Facebook

Imagem compartilhada por uma leitora na rede social

Inspirados pela imagem acima, selecionamos 9 comentários publicados nos posts e imagens da nossa página para mostrar por que ainda hoje é tão necessário fazer uma campanha contra o assédio no Carnaval.

Lembrando, mais uma vez: beijar à força não é pegada, é ASSÉDIO.

Confira:

comentario-carnaval-sem-assedio1111

carnaval-sem-assedio-03

comentario-carnaval-sem-assedio3

comentario-carnaval-sem-assedio4

comentario-carnaval-sem-assedio

carnaval-sem-assedio-04

carnaval-sem-assedio-03

carnaval-sem-assedio-02

carnaval-sem-assedio-01

  • Se você ainda não entendeu a diferença entre paquera e assédio, confira neste link 7 ilustrações com dicas básicas para se divertir no Carnaval (e respeitar as minas). Veja aqui mais informações sobre a campanha.

Imagem Autor

Feminista, vegetariana e repórter de Cidadania no Catraca Livre. ("nossas costas / contam histórias / que a lombada / de nenhum livro / pode carregar" - Rupi Kaur)

+ posts do autor