Créditos: Rovena Rosa/Agência Brasil

Usuários de drogas em frente à estação Julio Prestes, centro de São Paulo

A cracolândia não acabou seis meses depois de uma das maiores operações contra o tráfico de drogas na região central de São Paulo. Após a ação, que ocorreu no dia 21 de maio, o prefeito João Doria chegou a afirmar que o maior ponto de venda e uso de entorpecentes da cidade havia chegado ao fim.

"Vamos acabar. A cracolândia tem fim determinado e os criminosos que lá estão e agem podem estar certos que eles serão apenados", declarou Doria à época.

De acordo com a reportagem da Rádio Bandeirantes, que acompanha a situação desde maio, o problema está longe de acabar. Ao circular pela região nesta terça-feira, dia 21, a repórter Bruna Barboza registrou usuários fumando crack em diversas áreas, como a Praça Júlio Prestes.

Além dos dependentes químicos continuarem no local, há um excesso de lixo espalhado, como colchões, sapatos, roupas e resto de comida. A Polícia Militar e a Guarda Civil Metropolitana estão no local.

Posted by Sem Ternos on Monday, November 20, 2017

  • Leia mais:

Dossiê denuncia ações violentas contra moradores da cracolândia