É difícil não ficar apaixonado pelo México. O país tem a dose certa de natureza, história e cultura, e ainda uma gastronomia para ninguém botar defeito. Vira e mexe tem conteúdo sobre os restaurantes mexicanos lá no blog do Viajala.

Mas muita gente também nos pede dicas para visitar o sítio arqueológico de Teotihuacán, imaginando que uma grandiosidade daquelas só pode estar distante da Cidade do México. Mas a verdade é que é muito perto e visitá-lo é super fácil e barato.

Créditos: Rafael Sette Câmara

São quase dois quilômetros de área preservada

Teotihuacán está a pouco mais de 40 quilômetros da capital mexicana e possui a segunda maior pirâmide do país (e a terceira maior do mundo): a Pirâmide do Sol. Ela e outras pirâmides menores e conjuntos residenciais foram construídos até o ano 250 d.C. e formam o que já foi a maior cidade das civilizações pré-colombianas, com uma população de mais de 120 mil pessoas. E o ingresso para visitar tudo isso custa menos de US$5,00, acredita?

Confiras 5 dicas para facilitar sua visita por lá:

1. Para chegar no modo econômico, vá de transporte público. O melhor é pegar a linha amarela do metrô (que custa o equivalente a US$0,30) até a estação Autobuses del Norte. Ali, há um terminal de onde saem os ônibus que vão para o Sítio Arqueológico de Teotihuacán (cerca de US$ 3).

Créditos: Rafael Sette Câmara

Teotihuacán é um dos principais pontos turísticos do México

2. Quem está disposto a pagar um pouco mais pode contratar o serviço de translado no próprio hotel. O lado bom é que esse passeio é mais confortável, inclui o ingresso em Teotihuacán e costuma incluir também a visita à Basílica de Guadalupe. O lado ruim é que é mais caro (custa de a partir de US$50,00 por pessoa) e dá menos liberdade ao viajante, já que limita os horários de visita. Um bom meio termo é usar o Uber, que dá em torno de US$20,00 a US$25,00 cada trecho. Pode parecer salgado, mas quem viaja em um grupo de três ou quatro pessoas vai pagar pouco mais do que a ida de ônibus e ainda ganha em tempo e conforto.

3. Separe um dia inteiro para conhecer o sítio arqueológico. Mesmo que não passe o dia todo lá, o cansaço na volta pode acabar com sua coragem de sair do hotel de novo. Use roupas confortáveis, protetor solar (chapéu não é má ideia!) e prepare o físico para caminhar os dois quilômetros de área preservada e subir os 65 metros da Pirâmide do Sol: os degraus são altos, estreitos, não têm uma sombrinha sequer e o calor é desgastante.

4. Compre água, muita água. Nada é vendido lá dentro e, acredite, só uma garrafinha não será suficiente. Não esqueça de carregar uma sacolinha na mochila, para levar o lixo embora com você.

Créditos: Rafael Sette Câmara

Subir os 65 metros da Pirâmide do Sol é uma atração à parte

5. Conheça a história antes de ir. Vale a pena programar sua visita ao Museu Nacional de Antropología antes da visita a Teotihuacán. O museu é muito completo, traz todos aqueles ícones de civilizações pré-colombianas que estudamos, como a Pedra do Sol asteca, e vai dar uma noção maior do que era a cidade e de quais eram as civilizações que viveram ali. Mesmo com essa estudada prévia, também é interessante contratar o serviço de um guia, já que eles costumam não ser caros e fazem descontos para grupos. As pirâmides são cheias de detalhes e o mais legal é descobrir um a um, in loco, com quem entende do assunto.

Mapa reúne 70 cenotes da península de Yucatán, no México

Imagem Autor

O Viajala é um metabuscador de voos que compara preços de companhias aéreas e agências de viagens, permitindo que você escolha a passagem mais barata sem custo e sem taxas adicionais.

+ posts do autor

Rede Catraca Livre

Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do usuário da Rede Catraca.

O Catraca Livre disponibiliza espaço no site para que qualquer interessado possa contribuir com cidades mais acolhedoras, educadas e criativas, sempre respeitando a diversidade de opiniões.

As informações acima são de responsabilidade do autor e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.