Filadélfia transpira arte, história e surpreende. É fatal. Quando menos espera, você se rende à cidade e começa a chamá-la carinhosamente de Philly (abreviação de Philadelphia, em inglês). É lá que está também o maior programa de arte pública dos EUA, com grafites incríveis e gigantes.

A maior cidade do Estado da Pensilvânia fica a duas horas de Manhattan, em Nova York, de ônibus. Para estada, inúmeros hotéis no centro da cidade facilitam a vida do turista.

Créditos: LadoB da Viagem

O ponto de parada é o Rocky Steps (passos de Rocky) em frente ao Philadelphia Art Museum

Para explorar, especialmente se tem pouco tempo, o ideal é locar uma bike. Há empresas, como a Philly Bike Tour, que, além de alugar, montam fazem roteiros que incluem explicações nos pontos turísticos.

O passeio de três horas passa por mais de 25 pontos, incluindo locais históricos, a belíssima galeria a céu aberto Philadelphia’s Magic Gardens (abaixo), Washington Square Park, o primeiro hospital dos EUA, Pennsylvania Hospital, e o bairro Gayborhoood, bairro gay com bares incríveis, entre outros.

Uma parada estratégica acontece no Independence Hall, marco da independência do país.

Tanto a declaração de independência como a constituição americana foram assinadas neste ponto. O local também foi sede do governo americano até a mudança definitiva da capital para Washington em 1800.

Rocky, o lutador

Durante a pedalada, você vai passar pela famosa escadaria onde Rocky Balboa treinava para as competições de luta. Os filmes do boxeador, vivido por Sylvester Stallone, começaram há exatos 41 anos, com o ganhador do Oscar, Rocky, Um lutador, em 1976.

O ponto de parada é o Rocky Steps (passos de Rocky) em frente ao Philadelphia Art Museum, na famosa escadaria.

Espere dois minutos e vai ver turistas que seguem os passos de Stallone, ao correr pelas escadas e lutar no topo. Ou melhor, peça para alguém filmar e faça você mesmo a performance histórica.

Os museus são atrações imperdíveis. Programe-se ao menos para conhecer alguns, como o The Barnes Foundation, que abriga uma das maiores coleções de pinturas impressionistas fora da França.

Philly abriga também o Rodin Museum, com a maior coleção do artista fora de Paris, incluindo molde da famosa escultura O Pensador. Auguste Rodin (1840-1917) é considerado pai da escultura moderna.

Os jardins mágicos também merecem sua visita (Philadelphia’s Magic Gardens). Trata-se de uma galeria labirinto ao ar-livre feita com mosaicos montados de azulejos, rodas da bicicleta entre outros materiais que seriam descartados.
Para visitar tudo, uma boa pedida é economizar até 45% com os ingressos é o Philadelphia CityPass, bilhete para ver as principais atrações da cidade. Adultos pagam US$ 59 (cerca de R$ 200).

Street Art – a Cidade dos Murais

Durante todo passeio, repare nos grafites. São enormes e belíssimos. Filadélfia tem o maior programa de arte pública dos EUA, chamado The City of Philadelphia Mural Arts Program. São mais de 3.600 murais pelas esquinas.

Por 30 anos, artistas e comunidade colaboram com a arte nos muros. A arte em todas as esquinas rendeu à Philly o reconhecimento internacional Filadélfia de “Cidade dos Murais.”

Meu hotel favorito em Phylli:

Por Andrea Miramontes, do blog Lado B Viagem