Reprodução/ Pinterest

Créditos: Reprodução/ Pinterest

Ideia é incentivar pessoas a construírem as próprias cisternas

Pensando em empoderar os cidadãos e criar uma alternativa emergencial para a crise d'água de São Paulo, surgiu o Movimento Cisterna Já -iniciativa independente que pretende promover o reaproveitamento da água da chuva.

O grupo é composto por pessoas ligadas à permacultura e desde de agosto vem buscando soluções para a questão.

Esse vídeo mostra como é simples e barato construir uma pequena cisterna. Quem apresenta é Edison Urbano, criador do site Sempre Sustentável

Claudia Visoni, uma das criadoras da iniciativa, explica que as cisternas foram identificadas como a ação mais simples e imediata, pois qualquer pessoa pode construí-las."Afinal, se os reservatórios não dão conta do abastecimento, segurar a água que cai do céu é uma solução", conta.

Reprodução/ Pinterest

Créditos: Reprodução/ Pinterest

Movimento disponibiliza manuais e realizará oficinas e mutirões para captação da água da chuva

Como nas grandes cidades, a água da chuva é escoada muito rapidamente e, em contato com o chão ou esgoto, todo esse potencial é perdido.

Veja aqui como construir a sua própria cisterna.

Projeto

A ideia do movimento não é fazer a cisterna para ninguém, afinal o grupo não possui condições para isso.

O grupo pretende realizar mutirões para ensinar a construção das cisternas. O primeiro evento acontecerá no dia 9 de novembro, no Festival da Praça da Nascente, com horário a confirmar.

reprodução

Créditos: reprodução

Manual para construção de mini cisterna caseira

Na página do grupo, já é possível encontrar manuais para construção de cisternas, locais onde encontrar os produtos, além de outras referências. Acesse aqui.

Sobre a crise

Para Claudia, a crise é um bom momento para revermos o modelo centralizado de recursos. "No passado, a humanidade não era assim. As fontes de energia, água e alimentos eram pulverizadas. Hoje, jogamos na mão do estado e das empresas prover todos os recursos e estamos entrando em colapso", conta.

"É preciso rever esse modelo de toda energia sair de Belo Monte e toda a água sair da Cantareira. Não está dando certo.  E se transformássemos esse investimentos em painéis solares e cisternas? Resolveríamos o problema sem devastar nada", comenta.